Hoje é o dia em que Faustina andará à solta no Museu de Portimão

Faustina, mulher do poderoso imperador Marco Aurélio, estará esta tarde no Museu de Portimão, para apresentar a moeda romana “Aureus […]

Faustina, mulher do poderoso imperador Marco Aurélio, estará esta tarde no Museu de Portimão, para apresentar a moeda romana “Aureus de Faustina”, que regressa à cidade 43 anos depois de ter sido descoberta no fundo do rio Arade.

É um momento carregado de simbolismo, marcado para as 17h00 deste sábado, que se integra nos festejos do 5º aniversário do Museu de Portimão.

A moeda foi descoberta em 1970, durante as dragagens para criar uma bacia de rotação para os navios que demandavam o porto de Portimão, situado no estuário do rio Arade.

No dia 23 de Outubro de 1970, o Diário de Noticias divulgava a descoberta “de dois barcos possivelmente romanos naufragados do século II, no porto de Portimão” e, dos inúmeros vestígios trazidos à superfície, destacava fragmentos de cerâmica, peças de metal e uma moeda de ouro.

Pouco depois da sua descoberta, a moeda cunhada entre os anos de 152 e 156 da nossa era (Século II) em honra de Faustina Junior, esposa do imperador Marco Aurélio, foi entregue pela então Junta Autónoma dos Portos do Barlavento Algarvio, responsável pelas obras de dragagem, à guarda da Caixa Geral de Depósitos, onde permaneceu até há cerca de 15 dias, quando foi entregue ao Museu de Portimão, que agora a irá apresentar ao público pela primeira vez.

A devolução da moeda de ouro romana a Portimão foi decidida por despacho da Secretaria de Estado da Cultura, publicado em Diário da República no dia 18 de fevereiro.

A moeda passará agora a integrar a exposição permanente do premiado museu, que apresenta outras peças de grande valor da época romana, bem como algumas de outras épocas, provenientes de sucessivas campanhas arqueológicas ou achados fortuitos no estuário do Arade.

 

Museu comemora cinco anos de abertura

 

O 5.º aniversário do Museu inclui ainda a 13ª Corrida Fotográfica de Portimão, que decorre ao longo de todo o dia, a inauguração da exposição “Creio”, e um “Sábado em família” muito especial.

Considerado o mais importante certame do género a sul do Tejo, a Corrida Fotográfica de Portimão desafiará, entre as 10h00 e as 20h00, os concorrentes a captarem através das suas objetivas o espaço geográfico do município, num renovado e atualizado olhar pelos aspetos do seu património cultural e natural, suas gentes, atividades e vivências.

Outro destaque do programa de comemorações vai para a inauguração da exposição de arte sacra da Diocese do Algarve intitulada “Creio”, que resultou de uma parceria entre o Município de Portimão e a Paróquia da Matriz Portimão e que reúne pela primeira vez um conjunto de objetos com enorme valor artístico e religioso, estando a cerimónia de inauguração marcada para as 15h00, na qual tomará a palavra o Bispo do Algarve, D. Manuel Neto Quintas.

A mostra apresenta cerca de 50 valiosas peças de arte de diversas paróquias algarvias, abrangendo um período de 500 anos, entre óleos sobre madeira e tela, peças em ouro, prata e marfim, barro policromado, mármore, madeiras estofadas e policromadas, veludo e sedas bordadas, com origens tão remotas como a Índia, o Japão, a Jordânia ou a Pérsia.

Esta exibição, que ficará patente no Museu de Portimão até 15 de setembro, é promovida com o objetivo de assinalar o Ano da Fé e o Jubileu dos 25 anos da ordenação episcopal de D. Manuel Madureira Dias, Bispo Emérito do Algarve.

Também neste dia, das 15h00 às 17h30, os pequenos participantes no Sábado em Família Especial vão ter a ajuda de uma conserveira, um personagem pré-histórico e uma arqueóloga, e farão parte ativa da festa, soprando as velas do bolo de aniversário.

Inaugurado em 2008, o Museu de Portimão recebeu em 2010 o prémio “Museu Conselho da Europa” e no ano seguinte o o prémio “DASA – Mundo do Trabalho 2011”, tendo também sido distinguido com o prémio “Turismo de Portugal” em 2009 e com uma menção honrosa na categoria “Melhor Museu Português”, atribuída em 2008 pela Associação Portuguesa de Museologia.

Comentários

pub
pub