Coronavírus: corrente no WhatsApp garante que já morreram duas pessoas. É falso.

Verificação de factos do Polígrafo

Corre viralmente nas redes sociais um relato de uma suposta médica a garantir que morreu o primeiro português infetado pelo Covid-19. Segundo a profissional, tratava-se de um homem de 60 anos internado no Curry Cabral. A informação está a ser veiculada através de um áudio de Whatsapp e já chegou a milhares de portugueses.

“A informação não está a passar da maneira mais realista. Nós, médicos e profissionais de saúde, temos informação privilegiada no sentido em que falamos uns com os outros e vamos tendo noção do que é que se está a passar nos hospitais. Desde ontem à tarde é que nos estamos a aperceber da dimensão disto”, pode ouvir-se no áudio.

E prossegue: “Hoje já morreu um senhor no Curry Cabral, que estava na CUF mas foi transferido, tinha 60 anos e o único fator de risco era o facto de fumar. É a primeira morte que temos de um português, sendo que ontem à noite morreu um senhor na zona da Margem Sul. Era um italiano que cá estava, com 64 anos. A equipa do INEM que o entubou está toda de quarentena.”

A Direção-Geral de Saúde negou ao Polígrafo que a mesma seja verdadeira até às 16 horas do dia de hoje. Em Portugal, para já, não houve qualquer morte causada pelo novo coronavírus. Até ao momento estão confirmados 78 casos e 4923 estão em vigilância.

 

Nota editorial: este texto foi produzido pela redação do Polígrafo e validado pela Direção-Geral da Saúde, no âmbito de uma parceria estabelecida entre as duas entidades a propósito de um tema que se reveste de um inquestionável interesse público.

 

Nota Editorial do Sul Informação: Este fact-check foi publicado originalmente no Polígrafo no dia 12 de Março, às 16h35 e pode ser lido aqui. Os dados mais recentes, divulgados este sábado, dia 14, pelas 10h00, pela DGS, indicam que estão confirmados 169 casos e há 1704 casos suspeitos

Comentários

pub
pub