Passeios à vela na Barragem de Santa Clara vencem Prémio Espírito Empreendedor de Odemira

A quarta edição dos Prémios Espírito Empreendedor chegou hoje ao fim, com a entrega dos galardões

A empresa Panthalassa – Sail Into Nature, de Rita Norberto, que é pioneira a promover passeios em barco à vela na Barragem de Santa Clara, foi a grande vencedora dos Prémios Espírito Empreendedor promovidos pelo Município de Odemira e esta tarde entregues durante a FACECO, que está a decorrer em São Teotónio.

O 2º prémio foi atribuído ao projeto de joalharia de autora de Elza Santos Pereira, com ateliê e loja em Vila Nova de Milfontes (1000 euros), enquanto o 3º prémio coube a Diogo de Matos Proença, com o seu Hostel Nature, na Zambujeira do Mar (500 euros).

Foi também atribuído o prémio para a Melhor Ideia Empreendedora e Criativa, a Pedro Correia da Silva, com o projeto «Pic Nic Lovers».

A jovem empresária Rita Norberto aliou o seu gosto pela vela com a formação académica em biologia para criar uma empresa marítimo-turística que promove atividades na Barragem de Santa Clara, de forma diferente.

A sua empresa, que ganhou o 1º prémio no valor de 2000 euros, oferece vários serviços, como passeios à vela, a remo ou mesmo em barco com motor elétrico e por isso silencioso, com «uma vertente ambiental muito forte», dando a conhecer a paisagem e a biodiversidade da barragem de Santa Clara. Podem ser organizados «passeios para famílias, só para crianças ou para adultos».

A albufeira é «uma massa de água enorme com ótimas características para a vela e completamente desaproveitada», disse Rita Norberto, acrescentando que o seu projeto tem um «carácter inovador», já que «até agora não havia ninguém a explorar este conceito».

Elza Pereira, vencedora do 2º prémio, estudou escultura na ESBAL, em Lisboa, mas cedo se apaixonou pela joalharia, onde usa prata, cobre e esmalte, com muita cor. Escolheu o concelho de Odemira para viver e tem atualmente o seu ateliê (e loja), em Vila Nova de Milfontes.

Graças ao apoio do programa da Câmara de Odemira, já criou mais três postos de trabalho.

A maioria dos seus clientes são estrangeiros, pelo que a exportação é a grande fonte de rendimento, enviando as suas joias de autora para países da Europa, mas também para a Austrália e para o Japão.

Diogo Matos Proença, vencedor do 3º prémio, pegou na casa dos avós na Zambujeira do Mar e transformou-a no Hostel Nature, onde alia a qualidade do serviço e o espírito descontraído, ligado aos produtos locais, à inovação tecnológica, destinada a facilitar a vida aos seus clientes.

 

O troféu do Prémio Espírito Empreendedor 2019, criado pelo jovem escultor local João Marante Oliveira

 

Quanto ao prémio para a Melhor Ideia Empreendedora e Criativa, que recebeu também 2000 euros e a possibilidade de acesso ao ninho de empresas do Município de Odemira, foi atribuído ao «Pic Nic Lovers» que, para já, é apenas um projeto. Trata-se da ideia de criação de uma empresa que visa fornecer piqueniques «à medida dos desejos dos clientes», que podem ser desde famílias, a um casal ou um grupo de amigos.

A ideia, que ainda não está implementada, surgiu a Pedro Correia da Silva quando estava a ver um filme sobre a época vitoriana, quando havia o culto dos piqueniques.

Agora, com a ajuda das novas tecnologias, através da criação de uma aplicação ou site que ofereça a panóplia de comidas e bebidas da ementa – e que «até poderá estar aberto a sugestões» -, a ideia do jovem empreendedor é também «estabelecer parcerias com outras empresas», que promovam atividades na barragem, no rio Mira ou mesmo nas praias e no mar.

Irá igualmente apostar em ementas com produtos locais – nomeadamente o pão caseiro, o mel, as alcôncoras e as pupias.

O prémio reforça agora a sua vontade de arregaçar as mangas e passar das ideias para a realidade.

Ricardo Cardoso, vice-presidente da Câmara de Odemira, salientou, durante a entrega dos prémios, que o galardão «pretende estimular as iniciativas locais e dar visibilidade às mais inovadoras».

Este ano houve 15 candidaturas, um número recorde, o que significa que «mais gente se disponibilizou para apresentar as suas ideias e projetos», acrescentou o autarca.

O próprio troféu deste Prémio Espírito Empreendedor é bem exemplo do mundo criativo de Odemira, tendo sido criado pelo jovem escultor João Amarante Oliveira.

Desde 2015, quando foi criado, o projeto Odemira Empreende, no qual se integram os Prémios Espírito Empreendedor, já apoiou 90 projetos de 70 empresas, que criaram mais de 100 postos de trabalho, representando um total de 800 mil euros de comparticipação municipal.

 

 

Comentários

pub
pub