Presidente da Câmara de Olhão pede mais espaço para desenvolver atividade aquícola no Algarve

Seminário “Setor do Mar em Olhão e no Algarve – Ameaças e Oportunidades” juntou uma centena de pessoas

António Miguel Pina, presidente da Câmara Municipal de Olhão, aproveitou o seminário promovido, na sexta-feira, dia 16, pelo Gabinete de Apoio ao Empresário da autarquia, para assinalar o Dia Nacional do Mar, para pedir mais espaço para desenvolver atividade aquícola na região algarvia.

O autarca, que deu início aos trabalhos do seminário “Setor do Mar em Olhão e no Algarve – Ameaças e Oportunidades”, salientou que, entre 2014 e 2018, “Olhão passou do concelho com a maior taxa de desemprego da região, para aquele que tem a segunda menor taxa. Ou seja, surgiram novos postos de trabalho, ligados ao turismo e ao mar”.

António Pina, para quem as pescas sofrem grandes ameaças, defendeu que “temos um setor com grande futuro, mas que não poderá crescer se não olharmos para os instrumentos de gestão do território”.

O seminário decorreu no Auditório Municipal de Olhão, com cerca de uma centena de participantes, entre eles o secretário de Estado das Pescas, o também olhanense José Apolinário, que aqui celebrou um dia de grande simbolismo para Olhão e levou recados ao Governo.

Por seu lado, Teresa Almeida, gestora do programa Mar 2020, referiu a importância de “aproveitar da melhor forma os recursos que o mar tem”. É para isso que o Mar 2020 existe, já tendo apoiado muitas iniciativas nesta área. “No Algarve, temos 264 projetos aprovados, sendo que 83 deles são em Olhão”, revelou aquela responsável.

A visão de quem trabalha no setor foi dada por Jorge Ferreira (Conserveira do Sul), Jorge Dias (Sparos), João Navalho (Necton), João Bastos (SunConcept), Rui Fonseca (Algarfresco), Marta Rocha (Cooperativa Formosa), Fernando Gonçalves (Associação Portuguesa de Aquacultores – APA), Miguel Cardoso (Olhãopesca) e Rui Roque (Nautiber).

Se a Conserveira do Sul aposta na mão de obra pouco mecanizada, a Sparos atua num nicho de mercado muito específico: alimentos para aquacultura, gerando emprego jovem e qualificado.

Já a Necton contribui grandemente para que 98% do sal consumido a nível nacional seja produzido e embalado em Olhão.

Na SunConcept aposta-se na energia limpa; esta empresa de construção naval produz barcos que funcionam a energia solar. A Algarfresco, que atua na área da congelação de pescado, vê-se a braços com a “restrição à pesca da sardinha” na costa portuguesa.

As associações ligadas à aquacultura, como a Formosa, deparam-se com problemas ligados à mortalidade dos bivalves, às doenças ou ao aparecimento de espécies exóticas (amêijoa japónica), aplaudindo a construção da nova ETAR.

A nível nacional, a APA lembra a necessidade de travar as espécies invasoras e de criar espaços para produzir, já que Portugal importa 2/3 do pescado que consome.

Já a pesca ilegal e as alterações climáticas foram apontadas como ameaças pelo responsável da Olhãopesca.

A Nautiber, empresa de construção naval, continua com importantes encomendas, mas o seu gerente Rui Roque lembra que “os problemas dos pescadores são os problemas da Nautiber”.

O secretário de Estado das Pescas, que registou os problemas apontados por quem trabalha no mar, referiu os temas problemáticos, mas também falou do que de bom a região tem conseguido: em 2017, a venda de pescado nas lotas foi de 12 mil toneladas (representando 45 milhões de euros); até 31 de outubro desde ano, o valor de vendas em lota já chegou aos 37 milhões de euros e 25% (cerca de 4500) dos barcos de pesca a nível nacional estão registados no Algarve, região que representa 60% da produção nacional de bivalves.

José Apolinário, que revelou que os apoios aprovados para Olhão, no âmbito do programa Mar 2020, representam 12,5 milhões de euros de investimento, não esqueceu ainda de abordar os desafios para o setor, como a sustentabilidade ambiental, a gestão correta dos espaços da Ria Formosa, a importância da denominação de origem ou a ideia de cluster para o setor.

 

Comentários

pub
pub