VRSA recebe comitiva líbia para apoiar cuidados de saúde primários daquele país

O município de Vila Real de Santo António recebe, entre 31 de Agosto e 4 de Setembro, a visita de uma […]

Vila Real de Santo António_VRSA_2O município de Vila Real de Santo António recebe, entre 31 de Agosto e 4 de Setembro, a visita de uma comitiva líbia e de especialistas na área da saúde para apoiar as «autoridades daquele país do Mediterrâneo na implementação de uma rede de cuidados de saúde primários».

Vila Real de Santo António estará em representação quer da Assembleia Regional e Local Euro-Mediterrânica (Arlem), quer do Comité das Regiões (CoR) da União Europeia.

Além destas chancelas, a missão tem o apoio do Alto Representante para a Política Externa e Segurança da União Europeia, Federica Mogherini, e integra-se na estratégia de Nicósia.

O programa da visita contará com a colaboração, entre outras entidades, da bastonária da Ordem dos Enfermeiros Ana Rita Cavaco, de dirigentes da Administração Regional de Saúde (ARS) do Algarve, de representantes do grupo Hospital Particular do Algarve, bem como de outras entidades e organismos ligados ao setor da saúde.

Durante os trabalhos, serão realizados diversos seminários e visitas de trabalho.

Serão também dados a conhecer «alguns projetos pioneiros desenvolvidos por Portugal e pela autarquia de VRSA na área da saúde, de que são exemplo o programa de cuidados oftalmológicos “Cuidar”, através do qual já foram tratadas mais de 10 mil pessoas em apenas dois anos», diz a Câmara de VRSA.

Comité das RegiõesO presidente da Câmara Municipal de Vila Real de Santo António, membro da Assembleia Regional e Local Euro-Mediterrânica (Arlem) desde Outubro de 2015, no âmbito do seu trabalho no Comité das Regiões da UE, irá coordenar e dirigir os trabalhos em representação dos co-presidentes da assembleia euro-mediterrânica: Markku Markkula, também presidente do CoR, e Hani Abdalmasih Al Hayek, autarca de Beit Sahour, (Palestina).

«Com esta iniciativa, estamos a criar as bases para fortalecer as estratégias de acolhimento dos países do sul da Europa, envolvendo os governos locais, o setor privado e a sociedade civil. Da mesma forma, estamos a contribuir para a construção de uma justiça social nos países do mediterrâneo, onde os fluxos migratórios ou os conflitos bélicos têm gerado profundas transformações económicas e sociais», notou Luís Gomes.

«Mais do que um novo cenário político e económico, as transformações operadas, nos últimos anos, na faixa do Mediterrâneo, deverão ser observadas como um desafio e uma oportunidade para estender os laços de colaboração económica e social com a União Europeia, nomeadamente no que se refere à qualificação de recursos humanos e à correção das assimetrias nos territórios do Mediterrâneo», concluiu o autarca.

 

O que é a Arlem

A Arlem foi fundada em 2010 pelo Comité das Regiões da União Europeia e tem como missão fortalecer o diálogo entre os representantes locais e regionais das políticas europeias e o mediterrâneo, aproximando as fronteiras da União Europeia e as autoridades dos países banhados pelo mediterrâneo.

A Assembleia é composta por 80 membros e está equitativamente repartida por 15 representantes do Mediterrâneo (da qual fazem parte países como Marrocos, Tunísia e Argélia), pela União Europeia e por um conjunto parceiros, associações e instituições corporativas.

 

Qual é a missão?

Após a concessão do estatuto de observador à Líbia, no âmbito da União para o Mediterrâneo, o Comité das Regiões tem estabelecido contactos com as autoridades locais da Líbia desde Julho de 2015, à luz da primeira reunião organizada pela UNSMIL, em Bruxelas (Março de 2015), reunindo vários autarcas com vista a apoiar a ONU.

Assim, e antes da sessão plenária da comissão ARLEM, realizada em Nicósia, a 19 de Janeiro, diversos autarcas e representantes políticos líbios enviados ao presidente do CdR, Markku Markkula, definiram uma lista de prioridades para, em colaboração com o Comité, iniciarem um processo de parceria e partilha de Know-how.

A estratégia de Nicóia é, portanto, uma ação de diplomacia com base numa abordagem da base para o topo, através da qual se procuram parcerias de cooperação sob a forma de seminários ou de trabalho de campo, de que é exemplo esta visita de trabalho que irá ser realizada em VRSA.

Comentários

pub
pub