Passeio à descoberta do polvo e das artes de pesca em Santa Luzia

Um passeio de interpretação do território e dos saberes, à descoberta do polvo e das artes de pesca em Santa […]

santa luziaUm passeio de interpretação do território e dos saberes, à descoberta do polvo e das artes de pesca em Santa Luzia, é a proposta do Museu Municipal de Tavira para sábado, dia 12 de Março, às 9h30.

Trata-se de uma iniciativa integrada nos passeios “Dieta Mediterrânica todo o ano”, que desta vez rumarão a Santa Luzia, à beira da Ria Formosa, comunidade ligada às artes da pesca, designada por “Capital do Polvo”, devido às capturas desta espécie.

O percurso será orientado por Brígida Baptista (arqueóloga) e Carlos Sonderblohm (oceanógrafo), ambos ligados à Lais de Guia, Associação Cultural do Património Marítimo, de Santa Luzia, e ainda pelos pescadores António Vieira e José Basílio.

Em 2016, os passeios “Dieta Mediterrânica todo o ano” continuam a focar a sustentabilidade, ambiental e social, dos saberes-fazeres e produtos locais.

Além das histórias e saberes dos pescadores, os participantes vão conhecer quais os desafios que se colocam ao nível da proteção da biodiversidade, gestão das pescas e condições de trabalho das comunidades.

A organização, coordenada por Luísa Ricardo (antropóloga do Município de Tavira) está a cargo do Museu Municipal de Tavira, com o apoio da Junta de Freguesia de Santa Luzia.

O passeio é gratuito, mas é necessária inscrição, que pode ser feita enviando a ficha de inscrição para o Serviço Educativo do Museu Municipal de Tavira/ Palácio da Galeria , através do email edu.museus@cm-tavira.pt ou pelo telefone para 281 320 500 (ext. 2305).

 

Quem é quem neste passeio?

Barcos em santa_luziaCarlos Sonderblohm é oceanógrafo. Está a terminar um doutoramento em Ciências do Mar na Universidade do Algarve, sobre as pescas do polvo e gestão participativa da frota de covos e alcatruzes no Sul de Portugal.

Especialista na pequena pesca, tem experiência em comunidades costeiras na América Latina e as Caraíbas, com interesse na promoção de métodos de pesca sustentáveis que valorizem a cultura e tradição das comunidades locais.

Brígida Baptista é natural de Santa Luzia, licenciada em Arqueologia, pós-graduada em arqueologia marítima e subaquática com o mestrado em Arqueologia.

Desenvolve atualmente trabalho de investigação na área da construção e tratados navais como investigadora associada do Centro de História da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

António Vieira e José Basílio são pescadores com longa experiência na pesca do polvo com as antigas artes dos alcatruzes, atualmente reformados.

«Dieta Mediterrânica todo o Ano» é um programa de atividades de salvaguarda da Dieta Mediterrânica que visa divulgar as múltiplas dimensões do estilo de vida e da paisagem cultural mediterrânica, tendo por base o seu carácter cíclico.

O programa integra passeios de interpretação do território, demonstrações e oficinas em torno dos saberes-fazeres mediterrânicos.

As atividades são promovidas pelo Município de Tavira e contam com a colaboração dos habitantes locais e parcerias com outras instituições, integrando o saber empírico e o saber científico.

Dieta Mediterrânica integra a Lista Representativa de Património Imaterial da Humanidade, aprovada em 4 de dezembro de 2013. Subscreveram esta candidatura transnacional, sete Estados com culturas mediterrânicas milenares: Portugal (Tavira), Chipre (Agros), Croácia (Hvar e Brac), Grécia (Koroni), Espanha (Soria), Itália (Cilento) e Marrocos (Chefchaouen).

Tavira é a comunidade representativa de Portugal.

Comentários

pub