Junho, o mês em que quatro planetas se vão alinhar nos céus

O Verão começa no dia 20, às 21h50

Este mês voltamos a ver o planeta Júpiter. O maior planeta do Sistema Solar, no seu trajeto anual aparente no céu, passou em frente ao Sol entre o fim de maio e o início de junho, mas agora que cruzou “para o outro lado” da nossa estrela, começa a reaparecer no céu, ao amanhecer. No início do mês, é ainda difícil de o ver, mas, mais para o fim de junho, já se afastou o suficiente do Sol para se ver antes do amanhecer.

No dia 6, escusam de perder tempo à procura da Lua, pois esta está em lua nova. Só uns dias depois é que, já a crescer, começa a ser visível no final da tarde. No dia 14, atinge a fase de quarto crescente.

Dia 20, às 21h50, ocorre o Solstício (de Verão no hemisfério Norte). Este é o dia em que o Sol nasce mais à esquerda do ponto cardeal Este (cerca de 32 graus) e põe-se mais à direita do ponto cardeal Oeste (cerca de 32 graus). Por isso, é também o dia em que a nossa estrela, na sua passagem a Sul, ao meio-dia, vai estar mais alto no céu, e passa mais tempo acima do horizonte de todo o ano.

Este é por isso o dia mais longo do ano: na cidade da Covilhã, por exemplo, o Sol nasce às 06h01 e põe-se às 21h03, ficando 15 horas e 02 minutos acima do horizonte.

Mas este não é o dia mais quente do ano, porque apesar de ser o dia em que o nosso hemisfério recebe mais energia do Sol, devido à inércia térmica da Terra, as temperaturas continuam a subir durante mais algumas semanas.

22 é dia de lua cheia e dia 27 a Lua passa a cerca de 6 graus do planeta Saturno. No dia seguinte, atinge a fase de quarto minguante.

Na madrugada do dia 29, a nossa Lua estará mais ou menos a meio caminho entre os planetas Marte e Saturno, pelo que, a partir das 04h45 da manhã, poderemos ver 4 objetos do Sistema Solar a formar uma enorme linha reta no céu. De cima para baixo e de Este para Sudeste, estarão Júpiter, Marte, Lua e Saturno.

Com os três planetas, é possível termos uma ideia do plano do nosso Sistema Solar – a Eclíptica. A órbita dos planetas está, grosso modo, no mesmo plano, isto é, os planetas orbitam o Sol como se estivessem na superfície de um prato. Esse plano do Sistema Solar pode ser projetado no nosso céu, formando uma linha sobre a qual os planetas parecem mover-se – a Eclíptica.

A linha da Eclíptica representa também o trajeto anual aparente do Sol, no céu, que cruza 13 constelações, 12 das quais são conhecidas por constelações do Zodíaco (a 13ª é Ophiucus, o Serpentário).

A Lua não orbita o nosso planeta no plano da Eclíptica, mas a sua órbita mensal leva-a a cruzar frequentemente o plano do Sistema Solar. Se a órbita da Lua não tivesse esta inclinação em relação à Eclíptica, então, todos os meses, na lua cheia, teríamos um eclipse da Lua, e, na lua nova, teríamos um eclipse do Sol.

Boas observações!

 


Leia mais um pouco!
 
Uma região forte precisa de uma imprensa forte e, nos dias que correm, a imprensa depende dos seus leitores. Disponibilizamos todos os conteúdos do Sul Infomação gratuitamente, porque acreditamos que não é com barreiras que se aproxima o público do jornalismo responsável e de qualidade. Por isso, o seu contributo é essencial.  
Contribua aqui!

 



Comentários

pub