Faro e VRSA são dois exemplos de como se transforma lixo em arte

O objetivo é consciencializar a população

 

Faro e Vila Real de Santo António são duas das sete cidades que inauguraram, a 8 de Junho, Dia Mundial dos Oceanos, as rotundas marinhas, no âmbito da 3ª edição do projeto LIXARTE, que transforma lixo em arte. 

As instalações com motivos marinhos, colocadas em rotundas de Faro, Albufeira, Quarteira, Olhão, Lagoa, Portimão e Vila Real de Santo António, foram feitas a partir de lixo, muito dele recolhido nas praias, por alunos de escolas todo o Algarve.

Duas das rotundas participantes, foram a do Teatro das Figuras, em Faro, e a rotunda dos Atuns, em Vila Real de Santo António, decoradas a rigor com o objetivo de alertar a população para as consequências de deixar lixo na praia e deitar resíduos para o chão.

«O interesse da escola nesta atividade também é consciencializar os alunos, para que eles depois em casa reproduzam e repliquem todas as situações de conservação da natureza e, neste caso, do ambiente marinho, que é o mais importante», disse Eurico Bárbara, diretor da Escola Secundária Tomás Cabreira, de Faro.

«A consciencialização é a parte mais importante para nós, em termos de escola, e depois divulgar à população aquilo que temos feito. É consciencializar os nossos alunos para que eles saibam e possam usar o que aprendem hoje para revolver o amanhã e ter um futuro melhor», acrescentou o diretor.

Depois de todo o processo de montagem e com as rotundas já finalizadas, Carla Coles, professora da Tomás Cabreira, sente a missão cumprida e tem esperança de que a iniciativa volte no próximo ano, mesmo que haja muitas frustrações no meio do processo.

«Cada vez que acaba um ano de LIXARTE, e falo por mim, digo sempre “ai não, eu para o ano não me meto nisto”, mas revigoro as forças no Verão e depois acabo por não conseguir dizer que não», confessou a professora.

A Câmara Municipal de Faro mostrou também disponibilidade para continuar a apoiar o projeto, tentando arranjar a melhor forma de trabalhar com as escolas.

«Trabalho vários temas na área da mobilidade e do ambiente e vejo que, a cada ano que passa, as pessoas estão cada vez mais dispostas a participar. A Semana Europeia da Mobilidade, que fazemos todos os anos, há já sete anos, é exemplo disso», explicou Sophie Matias, vereadora do ambiente da Câmara de Faro, frisando que a arte é um bom caminho para chegar às pessoas.

«É este canal aberto que precisamos de ter também com as autarquias e é muito importante para que depois haja visibilidade para fora das escolas, para a comunidade, do trabalho que é produzido», finalizou a vereadora.

 

O projeto LIXARTE – transformar lixo em arte pretende afirmar-se como um projeto de ARTivismo e de ciência cidadã e sensibilizar, através da expressão artística, para a urgência de proteger os Oceanos. A edição deste ano Lixarte_Rotundas conta com a coordenação artística da olhanense Joana Bandeira Rocha.

O Lixarte_Rotundas tem como parceiros alunos de escolas de sete concelhos algarvios: Secundária Albufeira e EB 2,3 da Guia (Albufeira); Secundária Tomás Cabreira, EB 2,3 Joaquim Magalhães, EB 2,3 Afonso III, Secundária Pinheiro e Rosa e EB 2,3 Neves Júnior (Faro); Secundária Laura Ayres e EB 2,3 D. Dinis (Quarteira); Secundária Francisco Fernandes Lopes, EB 2,3 Alberto Iria, EB1 Alberto Iria e EB 2,3 João da Rosa (Olhão); EB 2,3 Rio Arade, Parchal (Lagoa); EBS Bemposta (Portimão); EB2,3 D. José I e EB 2,3 Monte Gordo (Vila Real de Santo António).

Conta ainda com o apoio de Europe Direct Algarve, Sciaena, Projeto GEA, Projeto SOS Planeta, APA-ARH Algarve – Voluntariado Ambiental para a Água, CCVAlgarve, Greve Climática Algarve, Universidade do Algarve, Universidade de Lisboa – F Belas Artes (mentoria), Projeto Confi-Arte – UNLisboa, ASMAL, CM São Brás de Alportel – Quinta do Peral, Docapesca,CCDR Algarve, Inframoura e Voluntários: estudantes sa Universidade do Algarve, fotógrafos, curadores e jovens ativistas.

 

Fotos e texto de: Cátia Rodrigues, que é finalista do Mestrado em Comunicação e Media Digitais da Universidade do Algarve e está a fazer o seu estágio curricular no Sul Informação.

 

Leia mais um pouco!
 
Uma região forte precisa de uma imprensa forte e, nos dias que correm, a imprensa depende dos seus leitores. Disponibilizamos todos os conteúdos do Sul Infomação gratuitamente, porque acreditamos que não é com barreiras que se aproxima o público do jornalismo responsável e de qualidade. Por isso, o seu contributo é essencial.  
Contribua aqui!



Comentários

pub