Artistas de três países vão ligar Faro ao sol com a sua arte

O Sunplugged terá a sua primeira edição em Junho

Foto: Hugo Rodrigues | Sul Informação

Kah Bee Chow, artista visual que divide o seu tempo entre a Suécia e a Malásia, voou até Faro e muito do que viu foi uma novidade. Anna Gesualdi e Giovanni Trono, da companhia italiana TeatrIngestazione, sentiram-se em casa, mas os seus olhos não deixaram de brilhar ao pousar no mar cristalino e sereno de uma praia algarvia.

Anna Gesualdi e Giovanni Trono, Kah Bee Chow e o farense Tó Quintas são os criadores convidados da primeira edição do Festival Sunplugged, uma iniciativa que decorrerá em Faro a partir de 21 de Junho, promovida pela associação ArQuente, sediada em Faro, em parceria com estruturas da Suécia e de Itália.

Todos eles participaram numa Semana de Mapeamento em Faro, no mês de Abril, durante a qual se inspiraram para criar peças de arte pública, na capital algarvia.

Numa manhã soalheira, o Sul Informação encontrou Kah Bee Chow, Anna Gesualdi e Giovanni Trono na doca de Faro, momentos antes de embarcar com eles numa viagem pela Ria Formosa, guiada por um biólogo marinho – Tó Quintas, que tinha voltado há pouco tempo da Suécia, ficou em casa, de cama, por se ter dado mal com as mudanças de clima.

O destino final do grupo, que incluía também Fúlvia Almeida, Teresa da Silva e Tátá Regala, da ArQuente, bem como o fotógrafo Jorge Mestre Simão, era a Ilha da Culatra, onde, apesar de ainda se estar na Primavera, já se viam muitas pessoas a apanhar banhos de sol e, até, a tomar banho.

A ideia foi dar a conhecer as belezas naturais e as gentes da ilha, mas também os esforços que a Culatra está a fazer para se tornar uma ilha autosuficiente do ponto de vista energético e cada vez mais sustentável, ao abrigo do projeto Culatra 2030.

 

Foto: Hugo Rodrigues | Sul Informação

 

Mas o ponto alto foi mesmo o contacto com o Oceano Atlântico e o areal da praia da Culatra.

Giovanni Trono, enquanto olhava fixamente para o mar, explicava que, apesar de viver em Palermo, «já não existem paisagens destas por lá».

«Não temos nada assim tão puro, não tem nada a ver», confessa, com um sorriso satisfeito e um brilhos no olhos.

Na estadia de uma semana, além desta ida à praia, os artistas ficaram a conhecer outros locais e atrativos da capital algarvia.

«Eles adoraram Faro. Foram daqui muito satisfeitos, diria mesmo encantados, até. Gostaram mesmo da cidade, gostaram da forma como foram recebidos, dos sítios que conheceram. Até nos diziam: “Então mas Faro só tem sítios bonitos?” (risos)», contou ao Sul Informação Fúlvia Almeida, da ArQuente.

Também foi dada a oportunidade aos artistas visitantes de andar pela cidade, pelo seu próprio pé, para a explorar à sua maneira.

Fúlvia Almeida realça igualmente o facto de os artistas terem sempre uma visão das coisas mais holística, pelo que mais facilmente encontra a beleza nas coisas, mesmo aquelas que são consideradas feias pela generalidade das pessoas.

«Foi muito giro, porque eles gostaram mesmo de tudo. Por exemplo, os italianos foram ao Teatro das Figuras a pé e andaram pela cidade, por uma zona já não tão nobre. Quando voltaram, disseram-nos: adorámos, isto é muito giro. Faz-nos lembrar um pouco Nápoles, a nossa cultura, a nossa forma de estar», acrescentou.

Os dois artistas italianos, disse, vieram a Faro com uma questão em mente: onde é que está o sol?

E a resposta que encontraram «ficou-nos na mente, a mim e à Teresa [Silva, da ArQuente, que também acompanhou o grupo]».

«Eles disseram que, aqui, encontraram o sol nas pessoas. Vieram a encontrá-lo sobretudo nas pessoas e eu achei isto muito bonito. Se calhar nós temos o sol cá dentro e não nos apercebemos».

 

Giovanni Trono, Anna Gesualdi e Kah Bee Chow – Foto: Hugo Rodrigues | Sul Informação

 

Depois dos momentos de inspiração, que decorreram não só em Faro, mas também nas cidades de Bari (Itália) e Ystad (Suécia), haverá um momento de criação, uma residência artística que irá decorrer em Junho e terminará no dia de inauguração das obras e início do Sunplugged.

No entanto, há quem já tenha uma boa ideia do que fará, como é o caso de Kah Bee Chow, que «já tem a peça mais ou menos concebida na cabeça dela».

Sem levantar demasiado o véu, Fúlvia Almeida revelou que terá uma base em ferro e será inspirada em elementos que absorveu na sua passagem por Faro, entre os quais os candeeiros antigos da cidade.

Já a dupla italiana também saiu de Faro «com uma ideia», neste caso para fazer algo no campo das artes performativas, indo buscar a inspiração, também, ao 25 de Abril, porque «a nossa revolução foi icónica».

«Eles acharam tudo lindo, nomeadamente as músicas. Fartaram-se de nos pedir músicas de intervenção», revelou Fúlvia Almeida.

Estas obras, bem como a de Tó Quintas, serão reveladas no dia 21 de Junho, o primeiro dia de Verão e, também do festival.

As obras irão ficar expostas, «pelo menos, até final de Junho. Mas pode ser que fiquem mais algum tempo».

 

Foto: Hugo Rodrigues | Sul Informação

 

O lançamento do Sunplugged coincidirá com as celebrações do Solstício, que serão promovidas no mesmo dia pela Câmara de Faro e cujo programa prevê a realização de concertos.

Também a 21 de Junho, decorrerá uma conversa intitulada “Arte e Sustentabilidade”, que irá juntar na Galeria Arco, a sede sa ArQuente, na Vila-Adentro de Faro, os artistas envolvidos no projeto e especialistas de várias áreas. O tema central será a sustentabilidade, tendo como ponto de partida o Sol.

O evento começa às 18h00 com um showcase de Mateus Verde, seguindo-se, às 18h45, a apresentação das obras de arte Sunplugged. Às 19h00 decorrer a conversa, que terá como oradores Alexandra Gonçalves (ESGHT, UAlg), Paulo Santos (vice-presidente CM Faro), Vasco de Abreu (Sciaena) e Jânio Monteiro (ISE, UAlg) e moderação de Elisabete Rodrigues, do Sul Informação.

Coorganizado pela ArQuente, pela Transversal Project (Suécia) e pela Basso Profilo (Itália), o Sunplugged é cofinanciado pela União Europeia, através do Programa Europa Criativa, e pelo Município de Faro, e conta ainda com a parceria da Escola Superior de Educação e Comunicação da Universidade do Algarve e do Museu Municipal de Faro. Já como parceiros de comunicação tem o Sul Informação e a RUA FM.

 

Fotos: Hugo Rodrigues | Sul Informação

 

Leia mais um pouco!
 
Uma região forte precisa de uma imprensa forte e, nos dias que correm, a imprensa depende dos seus leitores. Disponibilizamos todos os conteúdos do Sul Infomação gratuitamente, porque acreditamos que não é com barreiras que se aproxima o público do jornalismo responsável e de qualidade. Por isso, o seu contributo é essencial.  
Contribua aqui!

 



Comentários

pub