Algarve tem «um potencial muito interessante» de produção e consumo de gases renováveis [com vídeo]

Oportunidades em torno dos gases renováveis vão ser tema de conferência em Faro

O Algarve «um potencial muito interessante, não só de produção de gases renováveis, também do consumo desses mesmos gases renováveis». Quem o afirma é Miguel Faria, COO da Floene, empresa de gás que irá promover a conferência “Oportunidades dos Gases Renováveis – Novos Negócios, Competências e Profissões”, no dia 22 de Maio, no auditório da Biblioteca Municipal de Faro, entre as 9h00 e as 13h00.

«Estamos a falar de uma produção descentralizada, para consumo descentralizado, uma geração significativa de emprego e com todo o impacto ambiental e económico que este roteiro de descarbonização via gases renováveis terá e o Algarve terá um papel, também ele, muito importante», referiu o mesmo responsável.

Para Miguel Faria, «os gases renováveis vão ter um papel preponderante na descarbonização da economia portuguesa. Nós conseguiremos, só pela valorização de resíduos, atenção, por economia circular, garantir a descarbonização total do consumo de gás em Portugal».

O responsável da empresa explica que «um gás que hoje tem origem fóssil passará a ter uma origem renovável através desta valorização de resíduos, que não é mais do que produção descentralizada, consumo descentralizado, com um impacto significativo ambiental, social e económico».

«Nós sabemos que há resíduos mais do que suficientes para esta total descarbonização», acrescenta.

Com os gases renováveis, «as pessoas continuarão a ter acesso a uma forma de aquecer as suas casas, as suas águas e cozinhar de uma forma mais barata».

Também a nível económico, considera, a produção descentralizada terá impacto, porque «existirá aqui uma geração de emprego significativa» que pode ajudar a combater o «problema de sazonalidade» da região.

A conferência é aberta ao público, podendo as inscrições ser feitas aqui.

 
Entrevista em vídeo a Miguel Faria






Comentários

pub