ICArEHB recebe três bolsas de pós-doutoramento

O ICArEHB «congratula os investigadores nesta nova fase do seu percurso de investigação e continua empenhado em apoiar os seus esforços e em proporcionar um ambiente de investigação colaborativo e inovador»

O Centro Interdisciplinar de Arqueologia e Evolução do Comportamento Humano (ICArEHB) da Universidade do Algarve conquistou três bolsas de pós-doutoramento Marie Skłodowska-Curie (MSCA).

Segundo o próprio ICArEHB, «esta conquista reforça o compromisso do Centro em promover a excelência na investigação interdisciplinar no campo da arqueologia e da evolução humana».

Os três investigadores que recebem bolsa são Isaac Ogloblin, Lucía Cobo Sánchez e Armando Falcucci.

Isaac Ogloblin, com o projeto PUMA: Paleolithic Underwater Micro-Archaeology, será supervisionado por Vera Aldeias no ICArEHB, e Dan Cabanas na Rutgers University (EUA).

O conhecimento atual sobre a evolução humana está condicionado por dados terrestres, enquanto algumas informações cruciais estão armazenadas em sítios que estão agora submersos desde o Pleistoceno final. Na arqueologia terrestre, a combinação de micro-evidências, através de dados paleobotânicos, geoarqueológicos e experimentais, tem revelado novas informações. Este projeto visa explorar a aplicabilidade destas abordagens na investigação de sítios paleolíticos submersos, abordando duas questões principais: que tipo de materiais micro-arqueológicos são preservados em sítios paleolíticos submersos e porque é que os micro-resíduos antropogénicos (por exemplo, fitólitos) se preservam em sítios submersos?

Lucía Cobo Sánchez, com a proposta BITES: Beyond Bones: Integrating Statistics and Machine Learning Tools into Archaeological Evidence to Decode Neanderthal-Carnivore Scenarios, será supervisionada por João Cascalheira no ICArEHB.

A relação entre os seres humanos e o seu ambiente natural moldou significativamente a história evolutiva. Os carnívoros, em particular, os nossos principais concorrentes em muitos ecossistemas do passado, tiveram provavelmente um impacto profundo nos comportamentos das populações do passado. Os Neandertais terão sido potencialmente mais carnívoros do que outras espécies de hominíneos, mas será que as suas relações com os carnívoros se baseavam principalmente na rivalidade, na evitação mútua ou em subtis adaptações de sobrevivência?

Qual o impacto da atividade dos carnívoros na exploração dos nichos ecológicos explorados pelos Neandertais? Poderão as alterações nestas interações esclarecer o desaparecimento dos Neandertais? Este projeto foca-se num conjunto importante de sítios arqueológicos, localizados no Sul da Península Ibérica, que contém milhares de ossos de animais com marcas que revelam o consumo por parte dos Neandertais, mas também por diferentes carnívoros. Através do uso de técnicas de Machine Learning aplicadas à identificação e diferenciação das diferentes marcas tafonómicas presentes nos ossos, a investigadora irá obter informações sobre a coexistência entre as várias espécies e responder às perguntas apresentadas.

Armando Falcucci, com a proposta RStone: Population interconnectivity and technological trajectories in southern Africa during the MIS3 through replicable lithic analysis, será supervisionado por Nuno Bicho no ICArEHB, e Justin Pargeter na New-York University (USA). A nossa espécie surgiu do fluxo genético entre populações estruturadas em várias regiões de África.

Este processo implicou eventos intermitentes de coalescência e fragmentação, visíveis nos registos arqueológicos do Pleistoceno tardio através da alteração dos padrões de semelhança tecnológica lítica. Neste contexto, o MIS3 (59-28 ka) é um período particularmente intrigante, porque os arqueólogos que trabalham na África Austral levantaram a hipótese de que a acentuada variação regional na tecnologia lítica é atribuível à fragmentação cultural e à reduzida troca de informações entre populações dispersas. No entanto, pode também resultar da falta de um sistema replicável para registar e analisar estatisticamente os traços líticos.

O concurso anual para Bolsas de Pós-Doutoramento MSCA deste ano despertou um interesse considerável por parte da comunidade científica, com 8039 propostas submetidas.

As Bolsas de Pós-Doutoramento MSCA reforçam o potencial criativo e inovador dos investigadores doutorados que pretendam adquirir novas competências através de formação avançada, mobilidade internacional, interdisciplinar e intersectorial.

O ICArEHB «congratula os investigadores nesta nova fase do seu percurso de investigação e continua empenhado em apoiar os seus esforços e em proporcionar um ambiente de investigação colaborativo e inovador».

 



Comentários

pub