Lagos regula programa “Viver o Verão” para «estabilizar regras de organização»

O programa “Viver o Verão” abrange, todos os anos, uma média de 600 crianças dos 6 aos 15 anos

Foto de arquivo

A Câmara de Lagos aprovou, na última reunião autárquica, o regulamento de funcionamento do programa “Viver o Verão”, de ocupação de tempos livres. 

Segundo o Município, a ideia é «estabilizar as regras de organização e funcionamento desta que é uma importante resposta social» para «muitas famílias «que encontram no Viver o Verão a solução para ocupar, de forma lúdica e pedagógica, os seus educandos nos meses de Julho e Agosto.

Depois de aprovado pela Câmara, o projeto de regulamento estará agora em consulta pública durante 30 dias úteis, antes da sua aprovação final e entrada em vigor.

O documento «define os objetivos e os destinatários do programa, assim como toda uma série de aspetos organizativos, como horários, duração, locais de funcionamento, vagas, inscrições, formas de seleção, direitos e deveres das partes envolvidas, entre outros», diz a autarquia.

O programa “Viver o Verão” abrange, todos os anos, uma média de 600 crianças dos 6 aos 15 anos e cerca de 100 jovens com idades compreendidas entre os 16 e os 29 anos, implicando um encargo financeiro anual de 150 mil euros, verba que o município considera bem aplicada dado o impacto social positivo deste programa.

«Para os jovens participantes que desempenham as funções de monitor, este é, muitas vezes, o primeiro contacto que têm com o mercado de trabalho, incutindo-lhes sentido de responsabilidade e compromisso, importantes para o seu desenvolvimento e formação pessoal e social», refere a Câmara de Lagos.

O Viver o Verão começou por realizar-se na cidade de Lagos e gradualmente foi sendo alargado às outras freguesias do concelho, tendo atualmente uma cobertura total, com núcleos a funcionar na Luz, em Odiáxere e Bensafrim.

 



Comentários

pub