Pessoas não devem ir ao centro de testes sem que autoridades de saúde lhes deem indicação

Centro de colheitas funcionará em regime de “drive thru”, sem que as pessoas tenham de sair do carro

Foto: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

As pessoas suspeitas de estarem infetadas pela Covid-19 não devem ir ao centro de testes instalado junto ao Estádio Algarve sem que um médico ou as autoridades de saúde lhes deem a indicação formal para o fazer.

Ou seja, antes de acederem a esse centro, que já está pronto e vai entrar em funcionamento amanhã de manhã, os casos suspeitos terão de contactar com a linha SNS24, através da qual serão depois referenciados e orientados.

«Quem vier aqui sem estar referenciado não faz o teste» disse Paulo Morgado, presidente da Administração Regional de Saúde do Algarve, na conferência de imprensa que acaba de ter lugar no local onde já estão instaladas as duas tendas onde as colheitas serão feitas, junto à porta principal do Estádio Algarve.

O novo «centro de colheitas para análise» vai, segundo Paulo Morgado, funcionar em sistema de drive thru, em que as pessoas que são casos suspeitos chegam, depois de referenciadas, no seu carro e percorrem o circuito sempre sem saírem da viatura.

Nuno Marques, presidente do Algarve Biomedical Center (ABC), entidade que, com a ARS Algarve e as Câmaras de Faro e Loulé, operacionaliza este centro, explicou que, junto ao acesso para a entrada principal do Estádio Algarve, haverá um primeiro posto de controlo das autoridades, que depois encaminham ou não a viatura com a pessoa para o centro, composto por duas tendas.

 

As duas tendas do centro – Foto: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

 

Na primeira tenda, a pessoa tem de identificar-se ao médico que lá estará (devidamente protegido), mas sem abrir o vidro do carro e encostando o seu documento de identificação ao vidro, por dentro.

Depois de confirmar se o possível doente está referenciado pelas entidades de saúde, o médico comunica por walkie talkie com os seus colegas na tenda seguinte e o carro avança para a segunda tenda, onde entra. Aí haverá uma outra equipa de profissionais de saúde (também devidamente protegidos) para fazer a colheita.

A espaços regulares, as colheitas serão transportadas numa carrinha preparada para isso, para o Laboratório Regional Dra. Laura Ayres, que fica logo ali em frente, e onde as análises propriamente ditas serão feitas.

«Com este sistema, estamos a tirar pessoas dos hospitais para fazerem análises, e as próprias pessoas ficam mais protegidas, porque diminuem o seu risco de contágio. Aqui as pessoas não têm contacto físico com ninguém, vêm no seu carro e depois seguem nele para a sua casa», explicou ainda Nuno Marques.

Este responsável acrescentou que ontem «estivemos aqui em treino o dia todo, para treinar a melhor forma de fazer a colheita, da forma mais segura» para os utentes e para os profissionais de saúde.

 

Paulo Morgado, Rogério Bacalhau, Nuno Marques – Foto: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

 

O presidente da ARS Algarve disse ainda que no Algarve há uma capacidade instalada atual para fazer «300 testes por dia». Até ao dia de hoje, e desde 10 de Março, «já foram feitos 300 testes e felizmente muito poucos positivos». Os testes continuam a ser feitos também nos hospitais de Faro e de Portimão, mas este novo centro permite reforçar a capacidade regional.

Para já, o centro de testes do Estádio Algarve irá funcionar todos os dias, das 9 às 21h00. «Depois veremos se terá de funcionar 24 horas por dia».

Paulo Morgado anunciou que «já temos um plano para aumentar a capacidade» de fazer testes, com o apoio de entidades privadas, do ABC, da Universidade do Algarve e das Câmaras de Loulé e Faro.

Para já, explicou, as pessoas suspeitas do Barlavento «vêm fazer o seu teste aqui», embora também já estejam a «ser feitas colheitas no hospital de Portimão».

De qualquer modo, admitiu o presidente da ARS, «se este centro funcionar bem» e se for necessário, poderá abrir também «um centro no Barlavento».

«No Norte. já há centros a funcionar assim», lembrou Paulo Morgado, que acrescentou que «este teste é rigoroso», sendo mesmo «o único aprovado pela Organização Mundial de Saúde».

Neste momento, sublinhou Paulo Morgado, «temos relativamente poucos casos por dia» (de ontem para hoje houve apenas 4 novos casos no Algarve, atingindo um total de 35). «Mas o futuro vai trazer mais casos, daí estarmos já a preparar-nos», falando ainda do trabalho que está a ser feito pelas autoridades de saúde para «conter as poucas cadeias de transmissão que temos na região».

 

Fotos: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

 

 

Gosta do nosso trabalho?
Então apoie-nos!
O seu donativo vai apoiar as nossas reportagens e todo o nosso trabalho jornalístico!

Clique aqui para apoiar-nos (Paypal)
Ou use o nosso IBAN PT50 0018 0003 38929600020 44

Comentários

pub
pub