Olhão tem luz verde para levar carreiras de minibus até Pechão e Quelfes

Concurso internacional para escolha do concessionário de um serviço de transportes urbanos mais alargado do que o atual será lançado até ao Verão

Olhão vai ter mais uma carreira urbana de minibus, que irá alargar este serviço até Pechão, Brancanes e Quelfes. A Câmara olhanense recebeu luz verde da Autoridade da Mobilidade e dos Transportes (AMT) para preparar o concurso de escolha do concessionário do serviço público de transporte rodoviário de passageiros gerido pelo município, que contempla algumas mudanças ao denominado “Circuito Olhão”.

Segundo Elsa Parreira, vereadora da Câmara de Olhão responsável pela pasta dos transportes urbanos, estão neste momento a ser preparados o caderno de encargos e os termos do concurso, que, segundo a vereadora olhanense, deverá estar pronto a ser lançado «em Junho, se tudo correr como esperamos».

Quanto às perspetivas de ter os novos circuitos a funcionar, Elsa Parreira aponta o final do ano como objetivo. «É esse o nosso desejo, bem como o da população, que tem vindo a perguntar quando é que são feitas as alterações».

Na semana passada, a  AMT deu conta, numa nota de imprensa, que deu «parecer prévio vinculativo positivo» em relação «às peças de procedimento da concessão do serviço público de transporte de passageiros regular por modo rodoviário no município de Olhão», o que significa que a Câmara de Olhão «já pode avançar com um concurso internacional».

«Estamos a falar das nossas linhas de minibus. Atualmente temos duas, mas a ideia é passar para três, para reforçar o serviço que prestamos aos munícipes», explicou.

As duas linhas já existentes, identificadas por cores, nomeadamente verde e amarelo, além de servirem o centro da cidade, com passagens nas zonas onde se concentram os principais serviços e junto à zona comercial, «apenas chegam ao limite urbano de Olhão».

 

Atual rede do Circuito Olhão

 

«Ou seja, vão até à zona do pavilhão municipal, perto da escola EB 2,3 Paula Nogueira, passam por trás das urbanizações aí existentes, vão ao cemitério 16 de Junho [cemitério novo, a caminho de Quelfes] e também ao Parque de Campismo dos Bancários. No fundo, é o perímetro e a zona interior da cidade», resumiu Elsa Parreira.

Com a criação de uma nova linha, passarão a ser servidas as localidades de Pechão e de Quelfes, que são ambas sedes de freguesia, bem como de Brancanes, «onde também temos uma escola».

«Vamos promover ligeiras alterações às linhas já existentes, para melhorar o serviço e encurtar a duração do percurso. Os percursos vão-se cruzar em diferentes pontos. Por outro lado, queremos garantir que as pessoas que usam outras redes de transportes possam facilmente aceder a este circuito», disse a vereadora da Câmara de Olhão.

Elsa Parreira salientou que a única razão pela qual o Circuito Olhão não será estendido até à União de Freguesias de Moncarapacho e Fuzeta, deves-se ao facto das duas localidades «já estarem servidas de transportes intermunipais – e a Fuzeta tem o comboio. Não havia necessidade de sobrepôr».

Moncarapacho é servido por duas linhas circulares garantidas pela Eva Transportes, que tem a concessão dos transportes a nível intermunicipal. Uma delas que parte de Olhão e também vai a Quelfes e outra vai a Moncarapacho e à Fuzeta, via Alfandanga.

«Esta decisão baseou-se no resultado de um estudo que encomendámos a uma empresa. Chegámos à conclusão que estão bem servidos e que não valia a pena criar um circuito de minibus. Até porque seria um percurso muito longo e a ideia é que os percursos de minibus sejam rápidos e ágeis», concluiu a vereadora da Câmara de Olhão.

Comentários

pub
pub