Aprovado Plano de Urbanização do Parque Tecnológico das Gambelas

Plano «contempla espaços residenciais, espaços para atividades económicas e de uso especial e espaços verdes»

Crédito: Depositphotos

A versão final do Plano de Urbanização do futuro Parque Tecnológico das Gambelas, em Faro, foi aprovado pela Assembleia Municipal farense.

O plano incide sobre uma área com aproximadamente 104 hectares junto ao Campus de Gambelas da Universidade do Algarve, dos quais 6,6 se destinam à instalação do Parque Tecnológico Internacional do Algarve (PTIA), «um centro onde empresas de cariz tecnológico poderão investir e estabelecer-se, designadamente incubadoras, escritórios ou laboratórios de investigação aplicada, rentabilizando a vizinhança da UAlg, mas beneficiando igualmente da proximidade do Aeroporto de Faro, bem como da rede de acessos viários que serve o nosso concelho», segundo a Câmara de Faro.

O Parque Tecnológico, como explicou ao Sul Informação António Branco, o anterior reitor da UAlg, é um projeto de longo prazo, que se desenvolverá paralelamente ao bem mais avançado Polo Tecnológico, que já foi formalizado e começa a ganhar corpo.

O Plano de Urbanização agora aprovado (PUUOP3), revelou a Câmara de Faro, contempla espaços residenciais, espaços para atividades económicas e de uso especial e espaços verdes» e tem vários objetivos.

O primeiro é criar «uma área empresarial associada à investigação, indústria e tecnologia, assente num tecido produtivo moderno, diversificado e com utilização de tecnologias sustentáveis».

 

 

«Promover a reestruturação, renovação e/ou consolidação do tecido urbano existente; garantir um adequado enquadramento paisagístico prosseguindo os princípios do desenvolvimento sustentável; criar uma rede de percursos de mobilidade suave; melhorar os níveis de cobertura por parte das principais infraestruturas urbanas, e adequar a rede viária; e prever zonas para novas unidades de equipamentos e de estabelecimentos de utilização coletiva, em conformidade com as necessidades identificadas», também são metas traçadas.

Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, considera a aprovação final do documento «uma grande vitória para o concelho, que agora dispõe de um plano pensado para o desenvolvimento de um parque industrial que terá características únicas, pois encontra-se junto a uma universidade, encostado a um aeroporto internacional e com a Ria Formosa em fundo, beneficiando ainda das condições amenas que só o Algarve pode oferecer todo o ano».

«Esta era também uma oportunidade para desenvolver ainda mais esta zona, aumentando o parque habitacional e as atividades económicas, em harmonia com os espaços verdes afetos, que têm, neste plano, um cuidado muito particular, estando nós tão próximos do santuário natural que é a Ria Formosa», acrescentou o edil farense.

Os trabalhos de elaboração deste Plano de Urbanização tiveram início em 2012, em articulação com a UAlg e a Comissão de Coordenação de Desenvolvimento Regional do Algarve (CCDR/Algarve).

«A proposta de plano veio a ser sujeita a uma primeira conferência de serviços na CCDR/Algarve em 23/05/2016 e, após introduzidas as necessárias correções, foi novamente submetida a conferência em 09/11/2017, vindo a ser aprovada uma proposta final pelo atual executivo municipal em 16/12/2019, ferramenta que permitirá um impulso decisivo da competitividade de Faro e da região, tanto no plano nacional como internacional», resumiu a Câmara de Faro.

Comentários

pub
pub