Houve mais hóspedes e dormidas em «ano histórico» para o turismo no Algarve

Apesar do Brexit, o número de turistas vindo do Reino Unido aumentou, atingindo 1,19 milhões

Crescimento no número de hóspedes (+7,2%), nos proveitos totais (+7,2%) e nas dormidas (+2,5%). 2019 foi um ano de «resultados históricos» para o turismo no Algarve, com a região a continuar a representar a maior quota de dormidas a nível nacional (30% do total).

O Algarve foi mesmo a única região a acolher mais de 20 milhões de dormidas em empreendimentos turísticos.

Em termos absolutos, de acordo com os dados preliminares divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a região atingiu números históricos de 20,95 milhões de dormidas, de 5,07 milhões de hóspedes e de 1,23 mil milhões de euros de proveitos totais.

A procura turística pelo Algarve manteve-se com um desempenho positivo em todos meses do ano, com o número de hóspedes a aumentar entre Janeiro e Dezembro, com uma exceção em Outubro (decréscimo dos 459.928 hóspedes para os 459.535).

Considerando também a evolução das dormidas ao longo do ano, constata-se que os meses de Verão foram os que registaram maior número de dormidas no Algarve.

Isto apesar da redução da taxa de sazonalidade no destino em quase todos os meses de menor procura turística (Janeiro fechou com +8% de dormidas face a 2018, Fevereiro com +1,2%, Abril com +13,6%, Novembro com +7,8% e Dezembro com +9%).

Numa análise aos mercados emissores, os turistas nacionais totalizaram 1,47 milhões de hóspedes, crescendo 8,5% em comparação com 2018, e os estrangeiros registaram um total de 3,59 milhões, registando um aumento de 6,7%.

Aqui há uma particularidade interessante: apesar do Brexit, o número de turistas vindo do Reino Unido aumentou, atingindo 1,19 milhões.

O mercado italiano, por sua vez, cresceu 26,8% na emissão de hóspedes para o Algarve (um total de 87,7 mil).

Também se assistiu a um crescimento dos mercados emergentes como Brasil, que subiu 26,5% no número de hóspedes (total de 82 mil), e Estados Unidos da América com um crescimento de 19,8% no número de hóspedes (total de 106 mil).

Destaque ainda para o fluxo no Aeroporto Internacional de Faro que conquistou em 2019 um aumento de 3,8% nos turistas desembarcados, com um total de 4,46 milhões.

Para João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA), «os resultados da atividade turística no Algarve referentes a 2019 vêm confirmar que somos, de facto, a principal região turística do país, com uma procura bastante consolidada».

«Estes resultados são prova do trabalho desenvolvido por agentes públicos e privados e revelam a forte resiliência do setor e a sua capacidade de adaptação às contingências num ano especialmente exigente», acrescenta.

«Prova desta capacidade são os factos: conseguimos um bom desempenho no mercado britânico, graças a estratégias estruturadas de antecipação do Brexit, conquistámos uma maior procura junto mercados emissores de grande relevo mundial como o Brasil e os EUA e registámos um crescimento de hóspedes ao longo de todo o ano, em reflexo da forte aposta da região na diversificação da oferta turística», conclui o presidente da RTA.

A AHETA – Associação dos Hotéis e Empreendimentos Turísticos do Algarve também já veio a público dizer que a taxa de ocupação média dos hotéis e empreendimentos turísticos do Algarve atingiu os 63,8% em 2019, mais 0,9% do que no ano anterior, enquanto o volume de negócios subiu 3,9% no mesmo período.

Comentários

pub
pub