Está aí mais uma edição de luxo da Volta ao Algarve

Última etapa será um contrarrelógio

Há quem garanta que é «a melhor de sempre» e o pelotão parece vir mesmo comprová-lo. A 46ª edição da Volta ao Algarve em bicicleta arranca esta quarta-feira, 19 de Fevereiro, com saída de Portimão, rumo a Lagos. Até domingo, dia 23, os melhores do mundo vão competir nas estradas algarvias. 

Para a primeira tirada, espera-se uma chegada ao sprint.

A concentração está fixada para a zona ribeirinha de Portimão – palco da apresentação das equipas, a partir das 10h45 – antes da partida simbólica prevista para 12h00. Numa etapa com 2500 metros de subida acumulada, a caravana tem contagens de montanha na Picota (km 62, 13h40) e na Santa Luzia (78 km, 14h01). As metas volantes serão em Loulé (14h00), São Bartolomeu de Messines (14h50), e Odiáxere (16h00). A meta está instalada em Lagos, na Avenida dos Descobrimentos, com a previsão do melhor horário de chegada às 16h50.

Na lista de velocistas do pelotão da edição 2020 da Volta ao Algarve Cofidis destacam-se os nomes de Elia Viviani (Cofidis, Solutions Crédits), Fabio Jakobsen (Deceuninck – Quick Step), Alexander Kristoff (UAE-Team Emirates), Matteo Trentin (CCC Team) e Mathieu Van Der Poel (Alpecin-Fenix).

Esta edição marca a estreia da competição no calendário ProSeries com a presença de 24 ciclistas do top-100 do Ranking Mundial. Entre eles estão nomes como Vicenzo Nibali, Rui Costa, Michal Kwiatkowski, Geraint Thomas e André Greipel.

Também com a participação de campeões campeões mundiais de distintas vertentes da modalidade, parte da atração mediática da edição 2020 concentra-se também em duas das mais célebres estrelas em ascensão do pelotão internacional, ambos de nacionalidade holandesa: Mathieu Van Del Poel (Alpecin-Fenix), 12.º do Ranking Mundial e Remco Evenepoel (Deceuninck – Quick Step), o 28.º.

A presença dos jovens corredores holandeses, de 25 e 20 anos, respetivamente, marca as expectativas de uma corrida que, no ano passado, consagrou outra sensação em ascensão: o esloveno Tadej Pogacar.

No pelotão de 25 equipas – 174 corredores -, a Team INEOS (ex-Team SKY), vencedora em três das últimas cinco edições, conta com o tradicional favoritismo anunciando no alinhamento, além de Geraint Thomas e Michal Kwiatowski, com o australiano Rohan Dennis, campeão mundial de contrarrelógio. Outro nome consagrado no cartaz da prova é o do colombiano Miguel Ángel López (Astana), anterior terceiro classificado Volta a Itália e da Volta a Espanha no seu arranque de temporada.

O evento terá transmissão direto em 83 países. Toda a Europa será coberta pela transmissão da Eurosport, mas desta vez existe a novidade de a Noruega poder também ver a corrida em canal aberto, através da TV2.

A Eurosport também levará a Volta ao Algarve à Austrália e à Ásia. Pela primeira vez, a América Latina, território de adeptos entusiastas da modalidade, viverá a prova em direto, através da Claro Sports.

Em Portugal os diretos de todas as etapas poderão ser vistos na Eurosport 2 e na TVI 24, estando ainda programadas quatro repetições diárias, em diferentes horários, nos canais 1 e 2 da Eurosport.

Este ano, a organização decidiu entregar o Prémio Prestígio a Vincenzo Nibali, reconhecendo o currículo ímpar do corredor italiano. A distinção será feita na partida da segunda etapa, em Sagres.

Vincenzo Nibali é um dos dois corredores em atividade que já conquistou Tour (2014), Giro (2013 e 2016) e Vuelta (2010). Além disso, conta no palmarés com dois monumentos, Milão – Sanremo (2018) e Il Lombardia (2015 e 2017), entre mais de meia centena de vitórias.

No passado, o Prémio Prestígio foi outorgado a Philippe Gilbert, Tony Martin, Tom Boonen, Alberto Contador e Fabian Cancellara.

A 46ª Volta ao Algarve terá cinco etapas e um total de 771,4 quilómetros. Depois da etapa inaugural, a segunda tirada liga Sagres ao alto da Fóia, em Monchique, ao longo de 183,9 quilómetros, adivinhando-se que seja o primeiro confronto entre os candidatos à camisola amarela final.

Os velocistas têm nova oportunidade na terceira etapa, a mais longa da competição, 201,9 quilómetros, entre Faro e Tavira.

Ao quarto dia, o pelotão parte de Albufeira para chegar no alto do Malhão, em Loulé, depois de cumpridos 169,7 quilómetros. A corrida termina com a chamada prova da verdade, um contrarrelógio individual de 20,3 quilómetros, com início e final em Lagoa. Nesse dia, atenção aos grandes condicionamentos de trânsito.

Comentários

pub
pub