Algarve está preocupado, mas sente-se preparado para o Coronavírus

«O Algarve estará certamente bem preparado para qualquer eventualidade»

Preocupado, mas preparado. É desta forma que o Algarve se sente perante a ameaça do Coronavírus (Covid-19), que já chegou a Sevilha, aqui bem perto.

Tanto do setor turístico, como da parte dos representantes dos profissionais de saúde, chega uma mensagem de alguma preocupação, mas sem alarmismos.

Afinal, na principal região turística de Portugal, que recebe milhões de viajantes anualmente, vindos de todos os continentes, e com um Aeroporto Internacional, os riscos de entrada de pessoas infetadas são mais elevados do que noutros pontos do país.

Amanhã, 28 de Fevereiro, há um voo com partida de Milão (Malpensa), uma das zonas críticas do coronavírus, que chega ao Aeroporto de Faro, às 9h00.

«Somos uma região que depende muito de mercados externos e estamos a monitorizar o ponto de situação de cada um, não só quanto à realidade, mas também à perceção. O turismo é sensível às perceções, às vezes mais do que à realidade», disse, ao Sul Informação, João Fernandes, presidente da Região de Turismo do Algarve (RTA).

Os efeitos do Covid-19 na operação hoteleira já se começam, de resto, a fazer sentir.

«Sei que houve alguns cancelamentos de italianos que vinham para o Algarve, apesar de ser algo ainda com pouca expressão. É uma situação que nos preocupa, apesar de a origem dos nossos clientes não ser, na sua maioria, dos sítios mais afetados», contou ao nosso jornal João Soares, delegado regional da Associação de Hotelaria de Portugal (AHP) e diretor do histórico Hotel D. José, em Quarteira.

Ao Sul Informação, fonte diplomática de Itália em Portugal disse que o Governo daquele país tem atuado «com clareza e transparência para com os cidadãos italianos».

Questionada sobre que medidas estão previstas para os italianos que visitem o Algarve – ou mesmo para os residentes -, a mesma fonte apenas recomendou que se siga uma página especial, no site da Embaixada, dedicada ao surto de coronavírus. A Itália, de resto, tem sido um dos países mais afetados, com 11 mortes confirmados.

Da parte dos turistas em geral, há quem comece a questionar «sobre as medidas que temos», segundo João Soares. «Podemos ser afetados indiretamente pelos próprios operadores que têm alterações grandes nos países que estão mais atingidos», considerou.

Entre os países afetados está a vizinha Espanha. E já há um caso confirmado em Sevilha, a capital da Andaluzia, a cerca de 150 quilómetros do Algarve. Trata-se de um homem de 62 anos, com uma pneumonia, e que não esteve em nenhuma das zonas mais críticas, como o Norte de Itália, nem saiu de Espanha.

 

João Soares

 

«Não temos perceção de medo, mas vemos como as pessoas estão mais atentas. Brevemente, a AHP vai lançar um conjunto de medidas que os hotéis devem adotar, como a lavagem das mãos, porque temos de sensibilizar as pessoas e protegê-las o máximo possível», acrescentou João Soares.

Também da parte dos médicos, há alguma preocupação. Ao Sul Informação, Noel Carrilho, presidente da Federação Nacional dos Médicos (FNAM), disse que a situação é preocupante, para mais sendo o Algarve «uma região de entrada de tantas pessoas».

«Vamos ter, no sábado, uma reunião do conselho nacional e estamos a preparar uma atualização dos dados, nomeadamente acerca do que está bem e do que não está bem», frisou, salientando que só então a FNAM tomará uma posição oficial.

No entanto, ontem, na audição de Comissão de Saúde da Assembleia da República, João Proença, também membro e antigo dirigente da Federação, deixou críticas à capacidade de resposta a um eventual surto. «Oxalá não tenhamos a pandemia do Coronavírus, porque não temos capacidade organizativa. Não estou a ver porem a funcionar quatro ou cinco laboratórios a nível nacional», afirmou.

Já João Dias, dirigente regional do Sindicato Independente dos Médicos (SIM), disse ao nosso jornal que ainda não lhe chegou qualquer informação sobre um plano de resposta à eventual epidemia de Covid-19 no Algarve.

«Ainda não tive perceção de nenhumas medidas fora do habitual. Mas também ainda não temos caso nenhum no Algarve. Partimos do princípio que tudo esteja organizado. Não conheço nenhum plano, mas acredito que exista», explicou o médico João Dias.

O Sul Informação questionou a Direção Geral de Saúde sobre o plano de ação que estará delineado para enfrentar um surto no Algarve e se ele difere do que está previsto a nível nacional, tendo em conta as especificidades da região, o principal destino turístico de Portugal.

Também quisemos saber qual a capacidade de resposta das unidades de saúde públicas algarvias.

No entanto, depois de mais de 24 horas de espera e de muita insistência, o nosso jornal não obteve nenhuma resposta da DGS.

Certo é que, entre os hospitais de referência de 1ª e 2ª linha para contenção e validação de casos de Covid-19, não há nenhum abaixo do Tejo. Ou seja: não há nenhum no Algarve.

 

João Fernandes

 

Por falar em planos, João Fernandes, da RTA, admite que não há nenhum em específico para a região. «Há um plano que é utilizado em situações de emergência que é traçado pelo Turismo de Portugal para situações críticas. O destino não tem ainda nenhum caso em concreto. Não estamos isentos de risco, mas estamos concertados», explicou.

«Temos vindo a falar com as associações, para dar a conhecer as medidas, nomeadamente em termos de informação a dar ao viajante. Estamos preparados para nos articularmos com o setor da saúde», reforçou.

Só que, admitiu também, se tudo isto «afetar a perceção dos mercados emissores, transmitindo uma situação de insegurança, é normal que haja repercussões no turismo».

O hoteleiro João Soares reforçou: «não queremos causar alarmismo, mas estamos preocupados e atentos».

E estará a região algarvia pronta para um eventual caso de coronavírus?

«O Algarve é um destino bem preparado para várias ocorrências e estará certamente bem preparado para qualquer eventualidade». Esta é pelo menos a esperança manifestada por João Fernandes, presidente da Região de Turismo.

Comentários

pub
pub