Teatro das Figuras reúne as Cortes de Faro para celebrar 15 anos

Ainda há espetáculos por anunciar no lote de 15 momentos especiais

São 15 anos que vão ser assinalados com 15 momentos especiais. Tindersticks, Gal Costa, Romeu e Julieta, Teatro de Vizinhos e até As Cortes de Faro são alguns dos destaques da programação deste ano do Teatro das Figuras, em Faro, apresentada na quinta-feira, 23 de Janeiro. 

A década e meia de existência é o mote para todos os conteúdos programáticos. Depois de, no ano passado, o foco ter sido a “Cultura e Intervenção Social”, agora é a marca redonda que serve de âncora para um conjunto de iniciativas.

O primeiro momento destes 15 anos será já a 17 de Fevereiro, com um concerto dos Tindersticks. A banda britânica, criada nos anos 90, começará a digressão nacional do novo trabalho No Treasure but Hope com este concerto em Faro.

Apesar de dar espaço a artistas mais consagrados, o Teatro das Figuras continuará também a aposta nas companhias locais. Além da continuação de projetos como o “Entre Muros“, que levou reclusos do Estabelecimento Prisional de Faro ao palco do Teatro, e o “Ritmos e Poesias”, com jovens farenses oriundos de bairros problemáticos, os artistas algarvios terão espaço para apresentar os seus trabalhos.

“Fit(In)”, produzido pelo LAMA e protagonizado por Yola Pinto e João de Brito, é um exemplo disso. O espetáculo decorre a 12 de Março e falará sobre o encontro e a procura de uma identidade própria dentro de um coletivo.

 

 

Na programação, cabem ainda estreias absolutas. É o caso de “Romeu e Julieta”, uma recriação do clássico de Shakespeare, que juntará, no dia 21 de Março, o Quorum Ballet e a Orquestra Clássica do Sul (OCS) para um espetáculo que promete.

A esta junta-se também a estreia de um espetáculo do pianista Filipe Raposo com a OCS, a 9 de Maio. Este será um concerto para piano e orquestra que se inspira no cruzamento entre uma linguagem mais sinfónica e outra mais contemporânea, ligada ao jazz.

Na opinião de Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, ao longo destes 15 anos, o Teatro das Figuras já atingiu «uma confiança», da parte dos artistas, que faz com que «venham ter connosco». Neste sentido, o espaço farense receberá um concerto de uma das mais reputadas artistas brasileiras: Gal Costa. Será a 9 de Maio, às 21h30, com os bilhetes a custarem entre 45 a 55 euros.

Continuando pela programação, uma das principais novidades é o projeto comunitário “Teatro de Vizinhos”.

A iniciativa junta pessoas interessadas em teatro, mas sem formação, com coordenação de Edith Scher e Miguel Martins Pessoa, do JAT – Janela Aberta Teatro. A formação começou no passado dia 18 de Janeiro e a apresentação final, no palco, será três meses depois – a 18 de Março.

2020 marca ainda o regresso da programação do circo contemporâneo ao Teatro das Figuras. Além de “Sopros”, com Dolores de Matos e Luciano Amarelo, a 20 de Fevereiro, haverá “Mica Paprika”, uma encomenda feita à Companhia Fric à Frac do artista contemporâneo Michael Rosa.

O espetáculo, que subirá ao palco no dia 16 de Maio, promete resgatar técnicas circenses seculares, da época de ouro dos grandes circos tradicionais, com arremesso de facas, malabarismo com motosserra ou equilibrismo com catanas…

 

Paulo Santos, Rogério Bacalhau e Gil Silva

 

Para Gil Silva, diretor do Teatro das Figuras, o espaço que dirige tem também a obrigação «de pensar um bocado o que é isto de Faro». Vai daí, foi «lançado o desafio a Rui Catalão, que nos vai trazer uma espécie de Cortes de Faro».

Este será um espetáculo de teatro, a 13 de Junho, que vai reconstituir essa prática medieval num contexto contemporâneo.

O dia concreto do 15º aniversário do Teatro das Figuras (1 de Julho) também não podia passar despercebido. Na data, haverá uma série de iniciativas, com companhias de teatro locais e todos a terem a possibilidade de visitar espaços do Teatro que não costumam ser acessíveis ao público. Também será realizada uma sessão do ciclo Ideias em Palco, focada na arquitetura do edifício – que é projeto de Gonçalo Byrne – e em como este espaço mudou a cidade.

Segue-se, na programação, o Festival Dance, Dance, Dance (17 a 26 de Setembro) e uma iniciativa especial. A Orquestra Clássica do Sul vai tocar as nove sinfonias de Beethoven, no ano em que se assinalam 250 anos do nascimento do compositor alemão. Os espetáculos vão-se prolongar de 28 de Outubro a 1 de Novembro.

Ainda em Novembro, o novo projeto do coreógrafo e artista visual Tiago Cadete vai ser apresentado em antestreia. Atlântico será um cruzeiro entre Lisboa e Porto Seguro – a mesma rota que os portugueses fizeram há mais de 500 anos.

Apesar de não fazerem parte desses 15 momentos escolhidos pelo Teatro das Figuras, há outros espetáculos que prometem atrair muito público – são os casos dos concertos dos The Black Mamba (1 de Fevereiro, às 21h30) e Carminho (14 de Março, à mesma hora). Também haverá programação infantojuvenil, com o ciclo “Quem tem Faro para a ópera” e as tertúlias “Palavras à Solta”.

Mesmo no que diz respeito a essas 15 iniciativas especiais, ainda há algumas a ser fechadas. Gil Silva explicou que «são nomes, tanto a nível nacional como internacional, que não podem ser já divulgados», mas deixou uma garantia de qualidade.

De resto, qualidade parece ser uma palavra que assenta que nem uma luva no Teatro das Figuras, tendo em conta o acréscimo no número de espectadores. A sala de espetáculos farense recebeu, no ano passado, cerca de 54 mil pessoas, um número recorde para um total de 160 sessões.

 

 

A taxa média de ocupação foi de 69%, sendo que 23% das sessões estiveram esgotadas. Os números são um «orgulho, mas também uma responsabilidade», disse Rogério Bacalhau.

«Temos vindo a afirmar-nos, com um posicionamento estratégico muito grande e as coisas têm corrido bem», acrescentou.

Paulo Santos, vice-presidente da Câmara de Faro, explicou, por sua vez, que estas são as metas «pelas quais trabalhamos 365 dias». No ano em curso, trabalharão até 366 dias.

«Passámos a barreira dos 50 mil espectadores e conseguimos um crescimento quase gradual e sustentado. Só assim se consegue chegar ao posicionamento que o Teatro tem na programação cultural da região e do país», concluiu.

Comentários

pub
pub