Festival de Música Al-Mutamid passa por 7 cidades do Algarve até final de Fevereiro

Concertos em Lagoa, Vila Real de Santo António, Loulé, Albufeira, Silves, Lagos e Olhão

Sete cidades algarvias voltam a receber, até ao final do mês de Fevereiro, «a música que durante séculos ecoou nos castelos, palácios, medinas e bazares de Al-Andalus», no ano em que se comemora o 20º aniversário do Festival de Música Al-Mutamid.

Lagoa, Vila Real de Santo António, Loulé, Albufeira, Silves, Lagos e Olhão são as cidades que serão palco dos espetáculos deste festival, que nasceu há duas décadas para «dar a conhecer mais profundamente músicas e danças de raiz provenientes do Médio Oriente, Magrebe e Mediterrâneo oriental».

O festival começa a 24 de Janeiro, no Convento de São José, em Lagoa, com o grupo de música oriental Orontes Trio, que, no dia seguinte, domingo, se apresenta no Centro Cultural António Aleixo, em Vila Real de Santo António.

Segue-se o Wayam Ensemble, formado por quatro músicos provenientes de Marrocos e Síria e três bailarinos, a 8 de Fevereiro, no Cine-Teatro Louletano, em Loulé, bem como os Muhsilwan, um trio de músicos muçulmanos de raiz afro-árabe, acompanhados por uma bailarina, que se apresenta, no Auditório Municipal de Olhão, no dia 14 de Fevereiro, e no Centro Cultural de Lagos, no dia seguinte (15).

No último fim de semana, de 21 e 22 de Fevereiro, o projeto de música e dança oriental Sharq Wa Gharb (Marrocos/Espanha/Síria), sobre ao palco Teatro Mascarenhas Gregório, em Silves, no sábado, e do Auditório Municipal de Albufeira, no domingo, encerrando esta 20ª edição do certame.

Este festival é também uma homenagem ao rei poeta al-Mutamid, filho e sucessor do rei de Sevilha Al-Mutadid. Muhammad Ibn Abbad (al-Mutamid) nasceu em Beja (1040) e foi nomeado governador de Silves com apenas 12 anos, tendo aí passado uma juventude refinada.

Em 1069 acedeu ao trono de Sevilha, o reino mais forte entre os que surgiram em al-Andalus após a queda do Califato de Córdoba. Em 1088, foi destronado pelos almorávides e recluído em Agmat, a sul de Marrakech onde viria a falecer em 1095. O seu túmulo, conservado até hoje, tornou-se símbolo dos mais belos tempos de Al-Andalus.

Excelente poeta, al-Mutamid foi considerado por Ibn Jaqan como «o mais liberal, magnânimo e poderoso de todos os taifas de al-Andalus. O seu palácio foi a pousada dos peregrinos, o ponto de reunião de todos os engenhosos, o centro a donde se dirigiam todas as esperanças».

A organização do Festival considera que «a longevidade deste evento, pioneiro e de caraterísticas únicas na Península Ibérica, está intimamente relacionada com o suporte de um público fiel e ávido deste género de música, que tem acompanhado este festival ano após ano».

 

PROGRAMA:

ORONTES TRIO
(Músicas do Médio Oriente e Mediterrâneo oriental). ORONTES é o nome de um rio que corre nos territórios do Líbano, Síria e Turquia. Este rio serviu de inspiração para um projeto musical, em formato trio, que percorre as sonoridades do Médio Oriente e Mediterrâneo oriental.

Michel Gasco: Sarod e alaúde árabe
Alberto Centella: flautas
Pancho Brañas: percussões orientais

24 janeiro – 21h30 – Convento de São José | LAGOA

Bilhetes: 282 380 434 // 282 380 452

25 janeiro; 21h30 – Centro Cultural António Aleixo I VILA REAL DE SANTO ANTÓNIO

Bilhetes: 281 510 045

WAYAM ENSEMBLE
(Músicas e danças do Médio Oriente). WAYAM ENSEMBLE apresenta um programa de músicas e danças do Magrebe e Médio Oriente. Formado por quatro músicos provenientes de Marrocos e Síria, fazem-se acompanhar de uma bailarina de dança oriental que reflete através das suas danças o testemunho da herança de Al-Andaluz, e também por 2 bailarinos sírios, que interpretam magistralmente danças espirituais e folclóricas de estilo turco, egípcio e sírio.

Nur Eddin: giro sufi + dança tanora
Mohamed Babli: giro sufi + dança tanora
Christina Prieto: dança oriental
Rabie Yacoubi: violino
Youssef Mezgheldi: kanun
Otman Yacoubi: voz e alaúde árabe
Salah Eddin: darbouka, bendir e riq

8 fevereiro – 21h30 – Cine-Teatro Louletano | LOULÉ

Bilhetes: 289 414 604

MUHSILWAN
(Música e dança afro-árabe). MUHSILWAN é um trio de músicos muçulmanos de raiz afro-árabe e com componentes naturais do continente africano: Muhammad el Bouzidi (Marrocos), Wafir Sheikheldin (Sudão) e Aboubakar Syla (Guiné Conacri). MUHSILWAN apresenta um espectáculo assente em temas tradicionais desses 3 países donde são originários, interpretados com instrumentos de enorme beleza visual e sonora. Este grupo faz-se acompanhar de uma bailarina de dança oriental e tribal afro-árabe.

Muhammad el Bouzidi: voz e guembri
Wafir Sheikheldin: voz, oud árabe e nay
Aboubakar Syla: voz, ngoni, kora e cabaça
Sonia Sampayo: dança oriental e tribal afro-árabe

14 fevereiro – 21h30 – Auditório Municipal de Olhão | OLHÃO

Bilhetes: 289 700 160

15 fevereiro – 21h30 – Centro Cultural de Lagos | LAGOS

Bilhetes: 282 770 450

SHARQ WA GHARB
(Música e dança do Magrebe e Médio Oriente). SHARQ WA GARB é um grupo de música e dança do Médio Oriente e Magrebe. É formado por músicos originários da Síria, Marrocos, França e Espanha. O repertório do grupo está baseado na música de países tão diversos como: Turquia, Egito, Marrocos, Síria… e na dança oriental que nos transporta ao longínquo oriente com os seus ritmos sensuais das cortes de califas e sultões.

Yousef El Hossini Harrak: voz e alaúde árabe
Vincent Molino: nay e mizmar
Salah Eddin: percussões árabes
Sharay: dança oriental

21 fevereiro – 21h30 – Teatro Mascarenhas Gregório | SILVES

Bilhetes: 282 440 800

22 fevereiro – 21h30 – Auditório Municipal de Albufeira | ALBUFEIRA

Bilhetes: 289 599 645

Comentários

pub
pub