Série da RTP2 faz arqueologia da vida de Cláudio Torres

Estreia dia 14 de Novembro, às 23h05

«Cláudio Torres: Arqueologia de uma Vida» é o título da minissérie documental, de 3 episódios, sobre a vida e a obra do arqueólogo Cláudio Torres, que recentemente fez 80 anos, que se estreia no dia 14 Novembro, às 23h05 na RTP2.

«Insubmisso, contestatário, frontal, criativo, obstinado e sempre revolucionário, Cláudio Torres foi preso ainda na faculdade pela PIDE, por pertencer ao Partido Comunista Português», recorda a produtora Clara Amarela Filmes.

«Suportou com estoicismo os interrogatórios, a tortura, a prisão, uma fuga mítica num barquinho de recreio e o longo exílio, que o levaria da miséria em Marrocos à constatação, na Roménia de Ceausescu, das contradições políticas, da repressão e do subdesenvolvimento dos países comunistas», acrescenta a produtora.

Nascido em 1939, Cláudio Torres é fundador e diretor do Campo Arqueológico de Mértola. Fundador e diretor da revista “Arqueologia Medieval”.

Doutor “honoris causa” pela Universidade de Évora (2001). Prémio Pessoa 1991. Em 1993, foi investido pelo Presidente da República com a Grã Cruz da Ordem do Infante D. Henrique. Desde 2006, membro do Conselho Consultivo do Instituto de Gestão do Património Arquitetónico e Arqueológico (IGESPAR).

Entre 1974 e 1986, docente de várias cadeiras ligadas à História Medieval na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Entre 1986 e 1996, chefe da Divisão Sociocultural da Câmara Municipal de Mértola. Entre 1996 e 2002 (data da sua reforma), diretor do Parque Natural do Vale do Guadiana.

Em 2001, representante de Portugal no Comité do Património Mundial da UNESCO. Entre 1996 e 2007, presidente da Comissão Nacional Portuguesa dos Monumentos e Sítios – ICOMOS. Entre 2004 e 2012, Coordenador Nacional da Rede Portuguesa da Fundação Anna Lindh.

Tem desenvolvido a sua atividade científica em particular na área do património cultural, nomeadamente nos domínios da arqueologia, da investigação histórica e da museologia.

Da sua atividade museográfica, destaca-se: diretor do Museu de Mértola desde a sua fundação; Em 1988, organizou e dirigiu a equipa que montou na galeria Bab Oudaya em Rabat, Marrocos, a exposição “Mértola Almorávida e Almôada”; 1997, consultor científico da exposição itinerante “Memórias Árabo-Islâmicas em Portugal” organizada pela Comissão Nacional para as Comemorações dos Descobrimentos Portugueses; 1998, membro da Comissão Científica do programa de incremento do turismo cultural “Moura Encantada” lançado pela Direção Geral de Turismo; 1998, Comissário (em colaboração) da exposição itinerante “O Islão entre o Tejo e o Odiana.”; 1998 Comissário científico (em colaboração) da exposição “Portugal Islâmico. Os últimos sinais do Mediterrâneo” aberta no Museu Nacional de Arqueologia até finais de Outubro; 1999 Comissário científico (em colaboração) da exposição “As portas do Mediterrâneo” aberta em Tânger, durante os meses de Setembro e Outubro, e em Rabat, durante os meses de Novembro e Dezembro do mesmo ano.

Entre outros trabalhos publicados, destacam-se: “O Gharb al-Andaluz” in História de Portugal – (Vol. I), 1992 (direção de José Mattoso), Círculo de Leitores; “A arte islâmica no Ocidente Andaluz” (em colaboração) 1995 in História da Arte Portuguesa (direção de Paulo Pereira) “O Legado Islâmico em Portugal” (em colaboração) 1998, Círculo de Leitores.

Comentários

pub
pub