Loulé promove encontro sobre o passado e o futuro do esparto

Em ambiente informal, o encontro integra-se no projeto Loulé Criativo

Mostrar e partilhar as técnicas e usos que ainda estão na memória e no domínio de alguns, já poucos, é o objetivo do encontro sobre o esparto, marcado para 19 de Novembro, às 15h00, no Palácio Gama Lobo, em Loulé.

O encontro, em ambiente informal, integrado no projeto Loulé Criativo, irá debruçar-se sobre os usos passados e o que pode ser o potencial de utilização futura do esparto, enquanto matéria-prima.

O esparto já foi uma das matérias-primas mais trabalhadas na região do Algarve, em particular no concelho de Loulé. A aldeia de Alte foi um centro de produção, manufaturando-se alcofões, ceirões, capachas e, mais recentemente, peças com finalidade decorativa.

Trabalhado com a mesma técnica utilizada com a palma, a empreita, utiliza-se a planta ao natural, sendo humedecida antes da sua utilização, para se tornar maleável e passível de entrançar.

Mas em Alte, além deste modo de trabalhar o esparto, um outro foi de grande importância, designadamente a utilização do esparto pisado. Demolhado, o esparto era posteriormente pisado, de modo a ser facilmente torcido, permitindo produzir corda com diferentes espessuras e a partir daí peças diversas.

O encontro é aberto a artesãos, designers e público em geral. A entrada é livre.

 

Comentários

pub
pub