Jantares «Momentum» levam a floresta ao prato, em Lagoa e São Brás

Ainda há bilhetes…mas não se atrase a comprá-los

Os jantares “Momentum – Da floresta ao prato, uma experiência sensorial”, que juntam os atributos da gastronomia portuguesa à valorização da floresta, vão ter lugar no dia 8, no Convent’Bio – Convento do Carmo, em Lagoa, e 9 de Novembro, no Museu do Trajo, em São Brás de Alportel, no âmbito do Festival da Comida Esquecida.

Como muitas vezes acontece nos eventos integrados na programação do 365Algarve, os bilhetes para estes dois jantares diferentes – com cinco pratos e animação integrada no conceito – estão a desaparecer rapidamente. Para Lagoa, já há poucos, enquanto para São Brás há ainda mais entradas disponíveis.

Toda a conceção do festival foi pensada para a participação de grupos pequenos. «Estes eventos terão lugar em sítios protegidos ou que o deveriam ser, por isso nunca poderíamos ter uma grande carga de pessoas», disse uma das organizadoras, Alexandra Santos, ao Sul Informação.

Esta «experiência gastronómica» será proporcionada pelos alunos do Mestrado em Inovação em Artes Culinárias da Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril, que criaram um menu que «reflete o ciclo de produção, o respeito pela identidade dos territórios, a proximidade dos produtos à origem e o modo como estes são tratados nas cozinhas», explica a cooperativa QRER, a entidade que promove o Festival da Comida Esquecida.

A ideia é ir ao encontro do princípios da associação Plantar Uma Árvore, que lançou o desafio aos alunos deste curso para criar o menu, e que passam pela recuperação da biodiversidade e o fortalecimento dos ecossistemas.

«Os pratos acompanham o ciclo de vida da árvore e demonstram a preocupação em cuidar da sustentabilidade ambiental e alimentar, valorizando as nossas florestas», enquadrou a QRER.

Além de gastronomia, também haverá uma vertente cultural, que integra «performances ligadas ao imaginário da floresta, procurando aliar a atividade teatral ao despertar da consciência dos convidados para a temática em causa que, no dia a dia, passa pela ação individual e coletiva».

Ao longo do jantar, será contada uma narrativa com sons, cheiros e imagens de pequenos filmes que foram desenvolvidos pelos alunos da Escola Superior de Comunicação Social do Instituto Politécnico de Lisboa.

«O jantar inicia-se com o fogo, que simboliza a destruição e uma consciencialização para as questões florestais, passando pela semente, rebento, folha (verde, seca), flor e fruto. Cada um dos momentos será servido num suporte especificamente pensado para esta experiência. O conceito do menu reflete também a preocupação na utilização de matérias-primas locais e incomuns como cevada, rebentos de plantas, o mel de rosmaninho e o javali», explicam os organizadores do evento.

O Festival da Comida Esquecida, integrado na programação do 365Algarve, é promovido pela Cooperativa QRER, sendo uma conceção coletiva das suas cooperantes Barroca, Produtos Culturais e Turísticos (Susana Calado Martins) e Alexandra dos Santos Design, contando ainda com a colaboração de Pedro Bartilotti.

Os bilhetes para cada um destes jantares sensoriais custam 35 euros, mas incluem cinco pratos, vinhos, bem como animação ao longo de toda a noite.

Para comprar bilhetes, clique aqui.

 

 

Comentários

pub
pub