Câmara de Portimão embarga obra da Vivenda Compostela

Demolição da Vivenda Compostela foi autorizada pela Câmara em 2011

A Vivenda Compostela, tal como estava ontem à tarde – Foto: Filipe da Palma

A Câmara Municipal de Portimão acaba de anunciar que embargou esta quinta-feira, 7 de Novembro, a obra a decorrer na Vivenda Compostela, localizada na Praia da Rocha, «no sentido de serem averiguadas alegadas “desconformidades” na sua execução».

A autarquia acrescenta, em nota de imprensa, que, «na sequência de uma fiscalização às obras em curso, ordenada no dia 5 de Novembro, foram levantadas dúvidas sobre se a execução das mesmas estará em conformidade com o projeto aprovado e os seus pressupostos, factos que justificaram o embargo, hoje determinado».

A demolição da casa antiga, conhecida como Chalet Bivar ou casa do Conde da Covilhã, mas que na realidade se chama Vivenda Compostela, começou na passada segunda-feira, dia 4 de Novembro, causando uma vaga de contestação.

A obra, como depois se veio a saber, passa pela demolição desse edifício construído em inícios do século XX, sobre a falésia, na Praia da Rocha. Essa demolição, para dar lugar à construção de uma nova casa, foi autorizada pelos serviços da autarquia em 2011, tendo depois sido licenciada inicialmente em 2013, ainda quando Manuel da Luz era presidente da Câmara.

A atual licença data de 3 de Dezembro de 2015, estando válida até 17 de Dezembro deste ano de 2019. Prevê uma área de construção de 1196,90 metros quadrados.

Na terça-feira, como reação à polémica causada pela demolição da casa, a Câmara de Portimão anunciou que vai suspender o PDM na Praia da Rocha para «prevenir situações análogas» à da Vivenda Compostela.

Comentários

pub
pub