Artistas de Faro abrem as portas para revelar o segredo dos seus estúdios

No futuro, iniciativa poderá também abarcar outras cidades algarvias, como Olhão e Loulé

Os estúdios de 29 artistas de Faro vão estar de portas abertas e os criadores aí residentes estarão disponíveis para interagir com quem os visitar, durante o evento Open Studios, que vai decorrer de 22 a 24 de Novembro, em Faro.

Esta será a primeira edição de um evento que visa dar a conhecer a arte que é feita na capital algarvia e os seus protagonistas. Além dos 18 espaços de criação que terão as suas portas abertas, o público e os próprios artistas poderão contar com um programa paralelo, onde cabem conversas, workshops, performances e masterclasses.

O Open Studios Faro «surgiu da vontade de duas pessoas com o gosto pela arte, para criar a dinâmica que permitisse trazer a Faro este evento», explica Daniela Garcia, que coorganiza a iniciativa com Toma Svazaite e com o apoio na produção da Estrafega Produções.

«A ideia base é a criação de um roteiro de artistas, que estará aberto durante um determinado período. O evento começa no dia 22, uma sexta-feira, às 18h30. No sábado e no domingo, dias 23 e 24, os estúdios estarão abertos desde as 11h00 às 17h00», acrescenta, em declarações ao Sul Informação.

Este tipo de iniciativa, salientou Daniela Garcia, «já se realiza em muitas cidades de todo o mundo, inclusive em Lisboa e no Porto».

No sábado e no domingo, «qualquer pessoa pode visitar os estúdios, sem reserva e sem marcar previamente, e os artistas estarão presentes no local. Essa é uma das garantias do Open Studios, a oportunidade que é dada ao público de se encontrar com os artistas, de falar com eles e, eventualmente, de assistir ao processo criativo».

Quem preferir, pode inscrever-se na visita guiada que decorrerá na manhã de domingo, dia 24 (11h00), através do email openstudiosfaro@gmail.com.

Do lado de lá, estão muitos artistas bem conceituados, mas também jovens talentos.

Ao nível dos nomes já consagrados, o público pode contar com Manuel Baptista, Vicente de Brito, Hermínio Pinto da Silva, Cristiano Sheppard Cruz, Ana André, Vasco Vidigal, Rosa Trindade, Eduardo Pinto e Tó Quintas.

 

 

«Também vamos contar com artistas mais jovens, muitos dos quais estão ligados à associação 289, que agrega vários criadores ligados ao curso de Artes Visuais da Universidade do Algarve, nomeadamente Gustavo Jesus, Bertílio Martins, Milita Doré, Susana de Medeiros, Patrícia Serrão, Jorge Mestre Simão e Regis Vincent», enquadrou Daniela Garcia.

«Depois temos o José Jesus, um artista jovem, mas já com muito trabalho desenvolvido, temos a galeria Porta do Nascente da artista Dina Dias, o Corpo Atelier, o designer Bruno Boto, a Rita Belchior, que tem um espaço que é, ao mesmo tempo, uma galeria e uma oficina de serigrafia e gravura, a Nicole Lissy, artista e responsável pela Amarelarte, e a Mafalda David, uma das jovens artistas que nos contactou através da open call para participar», acrescentou.

Do circuito fará, igualmente, parte a oficina de joalharia Pontos Iguais, dinamizada por Filomeno Pereira de Sousa, «na qual também vão estar expostos trabalhos de cinco artistas que estão a trabalhar com ele em joalharia: a Ângela Gonçalves, a Catarina Canelas, a Manuela Xavier, a Mónica Rodrigues e o Pedro Vieira».

Para chegar a este rol de 29 artistas, Daniela e Toma Svazaite tiveram de fazer o trabalho de casa. «Numa fase inicial, fizemos um levantamento, um mapeamento. Andámos a recolher contactos, a perguntar aos próprios artistas quem mais poderia ser integrado e elaborámos uma lista inicial».

Em paralelo, foi lançada uma open call, em que qualquer pessoa se podia propor a estar presente, para «tentar chegar aos artistas emergentes e para fazer com que nos chegassem propostas das quais nós conseguiríamos ter conhecimento de outra forma».

«Neste primeiro ano, a iniciativa não teve grande impacto e não houve muita gente a mostrar interesse, uma vez que as nossas redes sociais ainda não têm muitos contactos associados. Mas esperamos que, no futuro, comece a ter mais expressão, até porque tivemos vários pedidos para participação posterior ao fecho desta open call e que já não conseguimos inserir na edição de 2019», explicou Daniela Garcia.

 

Tom Leamon

 

O programa do Open Studios conta ainda com uma exposição especial. «Além dos 29 criadores que estarão nos estúdios, termos um outro artista, o londrino Tom Leamon, que virá pela primeira vez ao Algarve. Vamos apresentar a exposição com obras dele “Memories From The Edge – A Time for Reflection”, com a curadoria dos Open Studios, numa galeria popup que surgirá num espaço que tem estado fechado, na Rua Lethes».

Os trabalhos de Tom Leamon, bem como de alguns artistas participantes, vão estar à venda.

Também haverá workshops temáticos para crianças e adultos, performances e conversas.

No dia 23 de Novembro, decorre, entre as 10h30 e as 12h00, a oficina artística “Arte e Natureza”, pensada para toda a família e promovida pela Amarelarte.

Às 18h00, Miriam Nogueira Tavares modera a conversa “O Circuito de Criação a Sul – Criação e Difusão das Artes no Algarve”, que juntará António Lacerda e Pedro Cabral Santo, ambos da Universidade do Algarve, na galeria popup ARTatFARO.

No domingo, às 11h00, decorre um workshop de Serigrafia na X-pass. às 14h30, novo workshop, desta feita sobre o tema “Um Espaço de Ensaio. Corpo: membrana/pele/casa/abrigo/território/paisagem/fronteira”, por Susana de Medeiros (DeVIR CAPa)

Nos dois dias, entre as 11h00 e as 17h00, Gustavo Jesus vai apresentar a performance “Infinitamente finito ou como teria feito Penélope se tivesse uma máquina de tricotar”, na Associação 289.

«No sábado, ao final do dia, teremos uma festa de convívio na Associação Recreativa e Cultural de Músicos, na Vila-Adentro de Faro. No domingo, haverá uma festa de encerramento na Associação 289, nas Pontes de Marchil», acrescentou a co-dinamizadora do evento.

No futuro, a ideia é também promover a iniciativa noutras cidades.

«Ao longo do percurso que percorremos até aqui, temos recebido várias sugestões, nomeadamente Loulé e Olhão, que sabemos que são cidades com artistas residentes e uma grande dinâmica cultural. Portanto, gostaríamos de as incluir, no próximo ano. A ideia é fazer em fins-de-semana diferentes e não aglomerar tudo na mesma data», anunciou Daniela Garcia.

Todas as atividades do Open Studios Faro são de entrada livre, à exceção dos workshops. Mais informações podem ser obtidas no Facebook e no Instagram do evento.

 

Comentários

pub
pub