Olhão enche-se de poesia vinda dos quatro cantos do mundo

A edição de livros com autores que passaram no Poesia a Sul é uma das grandes novidades

Fernando Cabrita e Imna Luna – Foto: Hugo Rodrigues|Sul Informação

Sete dezenas de poetas, vindos de 31 países, vão passar em Olhão até ao dia 27, em mais uma edição do Poesia a Sul, que começou ontem. Em 2019, os organizadores do evento mantêm a forte aposta na componente internacional e na divulgação da obra de alguns dos escritores presentes.

O lançamento da coleção Autores Poesia a Sul é, de resto, uma das grandes novidades da 5ª edição deste festival internacional. Já disponíveis – e gratuitos – estão três livros: “Edifício Nautilus”, da espanhola Imna Luna (nº1, edição bilíngue), “Ventos”, do vietnamita Chi Trung (nº2) e “Missa Branca”, do olhanense Fernando Cabrita, que é, igualmente, o principal dinamizador do evento – «quem parte e reparte e não fica com a melhor parte…», brincou o poeta algarvio, ontem, no lançamento do evento.

A ideia é engordar a coleção, de ano para ano, sempre com poetas que já marcaram presença no Poesia a Sul. «Queremos que se sigam mais autores e que sejam cada vez mais os países representados na coleção», disse Fernando Cabrita

«Antes, já fazíamos a edição de cadernos de poesia, que têm um carácter internacional muito importante. Neles, editámos 15 a 20 poetas de diferentes nacionalidades, sem repetir nenhum. O sexto caderno saiu hoje. Como são gratuitos, isto permite que a poesia seja internacionalizada, que cada poeta leve alguns exemplares para o seu país», acrescentou.

 

António Pina, Anabela Afonso, Adriana Nogueira e Fernando Cabrita

 

Quanto ao programa, Fernando Cabrita garante que «tudo é importante», mas destaca algumas das iniciativas que constam do programa.

Desde logo, os dois espetáculos que o Auditório Municipal de Olhão irá receber, no âmbito do Poesia a Sul. «O espetáculo do embaixador Lauro Moreira, no dia 25, no Auditório Municipal, é muito importante. Chama-se “Vozes Poéticas da Lusofonia” e é um recital dos grandes poetas de língua portuguesa. Este sábado, dia 19, temos os Amar Guitarra».

Até ao dia 27, está patente, na Biblioteca Municipal José Mariano Gag,o uma exposição coletiva de pintura e desenho, que junta trabalhos de Michael Augustin, Hans Wap, Tineke Storteboom e Paulo Gago.

«Quem andar por Olhão, poderá desfrutar dos excertos de poemas de autores que já por cá passaram que colocámos nos bancos de jardim», acrescentou o poeta olhanense.

 

 

A edição de 2019 do evento também ficará marcada pelas primeiras incursões do Poesia a Sul além fronteira – do Algarve e do país.

«Teremos uma deslocação a Sevilha, ao Consulado Geral, para homenagear um grande poeta espanhol, e uma deslocação a Beja, à Biblioteca José Saramago. O Poesia a Sul vai sair das suas fronteiras habituais, estamos a ampliar o nosso raio de atuação», segundo o dinamizador da iniciativa.

«Queremos que a poesia do mundo chegue aqui a Portugal, como está a acontecer, mas que os poetas, quando regressarem aos seus países, levem com eles a poesia portuguesa», reforçou.

Ontem, o Poesia a Sul também formalizou a geminação com outros festivais de poesia, nomeadamente o La Lyre Emigrée (Rússia), o Edita – Festival Ibero-americano de la Edición, la Poesia y las Artes (Espanha) e com a Fundação Pierre le Grand (Bélgica/Rússia).

O programa completo do Poesia a Sul, um evento organizado pela Câmara de Olhão, que está inserido na programação do “365Algarve” e que conta com o apoio da Direção Regional de Cultura do Algarve, pode ser consultado aqui.

 

Fotos: Hugo Rodrigues|Sul Informação

Comentários

pub
pub