Eleições em Rede 2019: Sem áreas protegidas, a Costa Alentejana seria um «novo Algarve»

A publicação deste conteúdo insere-se no projeto “Eleições em Rede 2019”, do qual faz parte o Sul Informação

Sem áreas protegidas, provavelmente, hoje já não existiria uma Ria Formosa tal como a conhecemos e a Costa Alentejana seria um «novo Algarve». A opinião é do arquiteto paisagista Miguel Jerónimo, membro da direção da associação ambientalista GEOTA – Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente, em entrevista ao Fumaça.

No entanto, a ação das áreas protegidas é limitada, acredita Miguel Jerónimo. «Os únicos recursos que as áreas protegidas têm é, eventualmente, passar multas; tornam mais difícil, para um investidor, usar certas práticas insustentáveis. Mas elas continuam a acontecer».

Nesta entrevista, o membro do GEOTA falta sobre a reforma da floresta da atual legislatura, conservação da natureza e gestão de áreas protegidas.

Numa pesquisa no site do Diário da República, procurando pelas palavras “abate de sobreiros”, no período desta legislatura, é possível perceber que os ministérios da Agricultura e do Ambiente, em conjunto, ou isoladamente, autorizaram o abate de, pelo menos, 13.179 azinheiras e 4.321 sobreiros – mais de 70% árvores adultas.

Há um dado claro: oito dos 13 abates foram autorizados para a construção ou ampliação de barragens; outros três para ampliação de unidades fabris ou parques industriais. Tanto as azinheiras como os sobreiros são espécies protegidas.

 

Comentários

pub
pub