Obras do Cine-Teatro António Pinheiro recomeçam após trabalhos de arqueologia

Obras estiveram paradas quatro meses para realização de trabalhos de arqueologia

As obras no Cine-Teatro António Pinheiro, em Tavira, recomeçaram no final da semana passada. A intervenção até tinha começado há meses, mas teve de parar, devido à necessidade de proceder a trabalhos de arqueologia.

Agora que os arqueólogos já terminaram o trabalho e deram o seu aval ao avanço da intervenção, Jorge Botelho, presidente da Câmara de Tavira, disse ao Sul Informação que as obras devem estar concluídas «em Julho de 2020. Inicialmente, eram para acabar em Março. Com este atraso de quatro meses, deverão resvalar mais ou menos esse tempo».

Quanto às escavações arqueológicas, já estavam previstas desde o início. «Estava estipulado no programa de obra, de acordo com o parecer prévio da Direção Regional de Cultura do Algarve, que, a partir de certa fase da obra, entraria a arqueologia», explicou o edil tavirense.

O momento referido foi aquele em que, após demolição de parte do edifício existente, «na zona onde ficará a caixa do palco e onde será necessário lançar estacas a uma profundidade considerável».

«Os arqueólogos da DRCAlg estiveram aqui, escavaram até à cota menos oito, abaixo da terra, e não encontraram nada, apenas lodo. Entretanto, foi-nos dado o aval para avançar e a obra recomeçou», disse Jorge Botelho, numa informação reforçada por Cristina Teté Garcia, a arqueóloga responsável pelos trabalhos que foram feitos ao longo dos últimos meses, que assegurou ao nosso jornal que «correu tudo bem».

 

Antevisão do novo Cine-teatro António Pinheiro

 

Apesar dos trabalhos de arqueologia terem demorado quatro meses, o presidente da Câmara de Tavira não dá o tempo como perdido, pois «foi tudo feito como deve ser e dentro das regras estipuladas».

Em Janeiro de 2018, altura em que a adjudicação apenas dependia de pormenores, Jorge Botelho havia revelado ao Sul Informação que esta obra contempla a criação «de uma sala de espetáculos modular, com 360 lugares sentados, que permitirá receber quase 100% dos espetáculos que se fazem em Portugal. Se for retirada a primeira fila de cadeiras, já permitirá receber 100%».

Em openspace, «a sala poderá acolher quase 600 pessoas. Será um espaço com balcão, caixa de palco e a entrada será feita por uma porta central, onde agora está uma árvore, criando uma praça e redefinindo aquele espaço», acrescentou o autarca.

Para o presidente da Câmara, a construção do novo cine-teatro, que vai custar 5 milhões de euros e é financiada pelo CRESC Algarve 2020, «é uma urgência» para a cidade, uma vez que «Tavira é o único concelho que não tem um recinto de espetáculos coberto».

Segundo o edil, «isto não permite programar muitas coisas na época baixa. Estamos remetidos para igrejas e pequenos espaços. Com esta obra, essa lacuna será colmatada», conclui.

 

 

Fotos: Hugo Rodrigues|Sul Informação

Comentários

pub
pub