1,6 milhões dão «condições» à Esquadra da PSP de Portimão

Intervenção dará «melhores condições» aos polícias

As obras de requalificação da atual esquadra da PSP de Portimão vão custar 1,6 milhões de euros e estar prontas «talvez dentro de dois anos».

O Contrato de Cooperação Interadministrativo para as obras de requalificação da Divisão Policial da PSP de Portimão foi assinado ontem à tarde, no salão nobre da Câmara desta cidade algarvia, com a presença do ministro da Administração Interna.

Isilda Gomes, presidente da Câmara de Portimão, recordou que o que estava previsto de início era «uma pequena intervenção de 900 mil euros». «Era apenas um arranjo, uma intervenção minimalista». Mas a proposta atual «deixará um equipamento completamente diferente», que «daqui por dois anos estaremos certamente a inaugurar».

No âmbito da nova modalidade de contratos entre o Ministério da Administração Interna e as autarquias, a obra será assumida e paga pela Câmara de Portimão, que depois será ressarcida dos gastos. Ou seja, como disse o ministro Eduardo Cabrita, «a Câmara assume a responsabilidade pela obra e a responsabilidade financeira e política é do MAI».

Para já, o contrato assinado para este «investimento muito significativo» abre caminho para «a fase de projetos».

 

O diretor nacional adjunto da PSP, também presente na cerimónia, embora reconhecendo «o grande esforço que este Governo tem feito», salientou que aquela força policial tem «infraestruturas que não são condizentes com a dignidade que temos de dar aos polícias».

No caso da esquadra de Portimão, que até nem está em muito más condições, as obras têm como um dos objetivos «motivar os polícias». «A assinatura deste contrato é um passo importante para criar condições para os polícias, que estarão em melhores condições para prestar um melhor serviço à comunidade».

«Investir na polícia e na segurança pública é também investir nas bases sólidas de qualquer Estado», disse ainda o superintendente Magina da Silva, acrescentando: «segurança é também motor de desenvolvimento económico e social». Sendo assim, os 1,6 milhões de euros destinados às obras na Divisão da PSP portimonense não são «um gasto de dinheiro, mas um investimento».

Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, frisou a redução da criminalidade violenta e grave em Portugal, nos anos mais recentes, a qual baixou 26%. Só no ano passado, o decréscimo foi de 8%.

O governante salientou ainda o facto de o Algarve ser a única região do país onde todos os municípios já assinaram Contratos Locais de Segurança com o MAI.

Em todo o país, lembrou o ministro, há 80 equipamentos da PSP e da GNR «em obra ou em conclusão». O contrato assinado ontem, para a requalificação da Esquadra da PSP de Portimão, será «o último contrato deste tipo a ser assinado em cerimónia pública nesta Legislatura, por motivos óbvios», acrescentou, numa referência às Eleições Legislativas de 6 de Outubro, cuja data foi ontem mesmo marcada oficialmente pelo Presidente da República.

 

Foto: Elisabete Rodrigues | Sul Informação

 

Comentários

pub
pub