PSD diz que Hospital de Faro está «à beira da rutura»

Estado da saúde no Algarve «está pior e é necessário agir já, antes que se some desgraça atrás de desgraça»

O PSD diz que o Hospital de Faro está «à beira da rutura», alertando para o estado de «degradação a que a saúde no Algarve chegou». 

Os sociais democratas vieram a público, emitir um comunicado, após os «tristes acontecimentos das últimas horas» em que uma grávida, de 28 semanas, teve de ser transferida para Évora devido à sobrelotação da Maternidade de Faro e ao encerramento da de Portimão.

«É um despudor e uma infâmia que se obrigue grávidas a fazerem 200 quilómetros rumo ao Alentejo para entrar em trabalho de parto», diz o PSD/Faro.

«Apesar dos veementes apelos feitos ao longo dos últimos seis meses por profissionais de saúde, sociedade civil, partidos e autarcas, o Serviço de Ginecologia e Obstetrícia e a sua Unidade de Neonatologia deixaram de dar conta do recado. Efetivamente, com um quadro médico envelhecido e carenciado, o serviço já só consegue assegurar uma pequena parcela dos turnos de Serviço de Urgência e continua sem receber quaisquer vagas nos últimos meses», acrescenta.

O PSD de Faro exige, por isso, «a retificação urgente da cativação de médicos para este serviço, o quanto antes. Entendemos que o Serviço necessita de uma renovação urgente do quadro com assistentes hospitalares que assegurem os cuidados prestados à população. E precisa de equipamento novo também, pois o que lá se encontra está há muito obsoleto».

«Além dos problemas das maternidades e dos partos prematuros que não podem realizar-se na região, não há medicamentos para doenças crónicas e multiplicam-se as denúncias de sindicatos e ordens. Este quadro lança uma tremenda desconfiança, justificada, sobre a prestação do SNS, que mais penaliza aqueles que têm menos rendimentos e sem alternativa», acrescenta.

O PSD de Faro deixa ainda um «veemente apelo», em nome dos farenses e de todos os que se servem do Hospital de Faro, «para que o Governo trave esta trágica hemorragia que se verifica e que põe em causa a imagem da região e o mais básico acesso de todos à saúde».

Os sociais democratas vão mais longe e dizem mesmo que Faro «precisa de um programa excecional, de emergência, para corrigir este cataclismo que afeta a nossa população e que resulta das famigeradas e cruéis cativações».

«Faro precisa de mais médicos, de enfermeiros, de técnicos e de auxiliares», defende o PSD/Faro.

O partido político repudia, por fim, o discurso de Mário Centeno, ministro das Finanças, quando diz «que a saúde está melhor».

«Não está. Está pior e é necessário agir já, antes que se some desgraça atrás de desgraça», conclui.

Comentários

pub
pub