Fiona veio de “Bué Bué Longe” para a Concentração Motard

Impacto económico no concelho de Faro será de «alguns milhões» de euros

Fiona e Ian

Fiona e Ian saíram no passado sábado da Escócia, de moto, percorreram quase 5 mil quilómetros e chegaram, esta quarta-feira, a Faro para participar na 38ª Concentração Motard, que arranca hoje, 18 de Julho. As expetativas de Ian e Fiona são as melhores, assim como as da organização, que espera que a edição deste ano «corra tão bem como nos anos anteriores, em especial no ano passado».

Nos últimos 11 anos, Ian veio a quatro concentrações motard. O escocês, sentado perto de um dos bares no recinto, elogia o ambiente do evento e considera que «mudou muito em relação ao ano passado», mas ainda não tem uma opinião definida se foi para melhor ou para pior. «Ainda não tive tempo de avaliar, para já estou a gostar», disse ao Sul Informação.

Fiona, por seu lado, está em Faro pela primeira vez. «Love it! [Adoro]», diz entusiasmada.

 

Blek e Rere

 

Também acabados de chegar a Faro estão Blek e Rere, do Clube Motard Ri-Raw, que fazem questão de enaltecer na conversa com o jornalista. A viagem foi mais curta do que a de Ian e Fiona, mas, ainda assim, fizeram 1700 quilómetros em cima de uma moto, desde Toulouse, em França. Ouviram falar da Concentração Motard de Faro e, este ano, decidiram participar. As primeiras impressões «estão a ser boas».

José Amaro, presidente do Moto Clube de Faro, está habituado a receber elogios. «Fazemos isto há 38 anos, julgamos que tem sido bem organizada, daí o sucesso que tem tido», disse em conferência de imprensa.

Este ano, o objetivo é que «decorra tão bem como nos anos anteriores, em especial como no ano passado, que foi espetacular».

Para 2019, houve uma «mudança radical em vários setores. A parte do Oásis foi toda modificada e também o Bikeshow tem um visual diferente», realça José Amaro.

 

 

Já em termos de espetáculos, a opção foi «pela diversidade. Não temos só música Rock. Há de tudo um pouco. Os motociclistas têm mente aberta e aderem a bons concertos».

No entanto, a animação não vai ficar apenas restringida ao Vale das Almas, onde está instalado o recinto. «Temos animação na Baixa de Faro, na sexta-feira e no sábado, e convidamos a população a ir assistir aos espetáculos».

A organização espera 18 mil inscrições, sendo que, dentro do recinto, são esperadas 26 a 27 mil pessoas. «Esta é a previsão, mas, se houver mais inscrições, se chegarmos às 20 mil inscrições, temos tudo preparado para essa quantidade de pessoas».

Apesar de ter sido uma das melhores edições dos últimos anos, a Concentração do ano passado ficou marcada pela ameaça de um acerto de contas envolvendo os Hells Angels e grupos rivais. Tudo correu pelo melhor, mas José Amaro admite que uma situação desse género «afeta as pessoas, que ficam assustadas. Julgo que muita gente não veio devido ao que se falou no ano passado e não virá este ano, mas não podemos proibir ninguém de entrar aqui dentro».

Por isso, os Hells Angels devem marcar presença nesta edição da Concentração, porque pediram um espaço para vender merchandising. «Para todas as pessoas que pedem espaços, nós arranjamos. Mas, se houver um problema com eles, ou com alguém, as forças de segurança estão presentes».

 

 

Em termos de dispositivo de segurança, será semelhante aos anos anteriores e, no recinto, haverá 120 seguranças privados.

Para promover a segurança rodoviária, só conduz para chegar ao Vale das Almas ou à Baixa de Faro, quem quer, uma vez que há um autocarro gratuito, que faz o trajeto entre a concentração e a cidade, e vice-versa, durante 24 horas, até às 9h00 de domingo.

Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, também ele motard, olha para a Concentração como uma oportunidade para o concelho que não deve ser desperdiçada.

«As pessoas, às vezes, não têm noção e fazem algumas críticas a este evento, mas, nestes quatro dias, entram alguns milhões na economia do concelho. Não há mais nenhum evento com um impacto económico tão grande. É importante, por isso, manter a Concentração e apoiar o Moto Clube», considera.

 

 

Enquanto responsável máximo da Proteção Civil Municipal, Rogério Bacalhau diz que «o plano de segurança está aprovado, os meios estão todos a postos, seja a PSP, a GNR ou segurança privada. Do que era possível prever, as coisas estão bem encaminhadas. Não temos indícios que possam indicar que algo vá correr mal».

Até porque, esta é, segundo o autarca, uma «Concentração de famílias. Há desde bebés, até bebés muito velhinhos. As pessoas vêm para conviver, para reencontrar amigos e o que espero é que possa ser mais uma festa de família e um evento que dê dimensão ao Moto Clube e notoriedade do concelho para que, quem cá vem, leve boas recordações e fique com vontade de voltar», conclui.

 

 

 

Fotos: Rodrigo Damasceno|Sul Informação

Comentários

pub
pub