Europa perdeu um terço das suas pradarias marinhas, mas há sinais de recuperação

Investigadores do CCMAR dizem que novo estudo «traz otimismo» para a recuperação destes ecossistemas

Foto: Rui Santos

O ritmo de perda das pradarias marinhas, na Europa, tem vindo a abrandar e, em alguns casos, as pradarias conseguiram recuperar. Um novo estudo, em que participaram investigadores do Centro de Ciências do Mar (CCMAR) da Universidade do Algarve, indica que, depois de a Europa ter perdido um terço das suas pradarias marinhas devido à deterioração da qualidade da água e ao desenvolvimento costeiro, principalmente nos anos 70 e 80, estes ecossistemas estão a dar sinais de recuperação.

Segundo o CCMAR, «as taxas de perda têm vindo a abrandar e, em alguns locais, as pradarias conseguiram recuperar, provavelmente devido a medidas comunitárias para melhorar a qualidade da água».

O centro de investigação explica que «as ervas marinhas são plantas superiores (e não algas) que formam extensas pradarias em zonas costeiras. Estes ecossistemas chave suportam as pescas, desempenham um papel importante no sequestro de carbono, oferecem proteção costeira e abrigam espécies ameaçadas como os cavalos-marinhos».

No estudo publicado na “Nature Communications”, foi analisada toda a informação existente na Europa sobre a área e densidade de ervas marinhas desde 1869, perfazendo um total de 737 locais ao longo das costas de 25 países europeus.

«O nosso estudo mostra que a Europa perdeu um terço da área de ervas marinhas nos últimos 150 anos, o que significa que perdemos também os benefícios que proporcionam», explica Carmen B. de los Santos, investigadora do CCMAR e primeira autora da publicação, que incluiu investigadores de 21 instituições europeias.

O estudo mostra que as perdas de ervas marinhas atingiram o pico durante as décadas de 1970 e 1980 e que as principais causas incluíram a degradação da qualidade da água devido ao aumento dos níveis de nutrientes, distúrbios mecânicos (ex: ancoragem de barcos, arrasto de fundo) e doenças.

No entanto, após um período de intenso declínio, as ervas marinhas europeias mostram sinais de recuperação. Rui Santos, investigador do CCMAR, professor da Universidade do Algarve e autor sénior da publicação, destaca que «os nossos resultados são muito encorajadores – contrariamente às tendências globais, as taxas de perda de ervas marinhas na Europa abrandaram no final do século XX. Em alguns locais, as pradarias marinhas até recuperaram. Este estudo traz esperança para os esforços de conservação de ervas marinhas, pois sugere que medidas de gestão como a implementação de áreas marinhas protegidas e a redução da descarga de nutrientes pode ter resultados positivos».

Em Portugal, as mais extensas pradarias marinhas encontram-se na Ria Formosa, Ria de Aveiro e nos estuários do Sado, Tejo e Mondego. Rui Santos explica que «as pradarias marinhas portuguesas foram fortemente impactadas nas últimas décadas. Neste contexto, o nosso estudo traz otimismo e apoia os esforços que as autoridades competentes estão a fazer na gestão e conservação das nossas zonas costeiras».

Comentários

pub
pub