Comida esquecida, ciência e carrinhas “pão de forma” são novidades no novo “365Algarve”

Na quarta edição do programa há muitas novidades, mas também velhos conhecidos do público

Novo Circo Lavrar o Mar – Foto: © João Mariano

O Festival da Comida Esquecida/Forgotten Food Festival, Out (In)Verno e A(prender-me) no Algarve serão as grandes novidades de mais uma edição do programa “365Algarve”, que começa em Outubro e dura até Maio de 2020.

Na quarta edição do evento, há muitos projetos novos, quase metade do total, mas também propostas que têm sido um sucesso ano após ano, como o Lavrar o Mar, o Festival do Contrabando, o Jazz nas Adegas ou o Luza, que este ano se muda de Loulé para Faro.

O “365Algarve” 2019/20 traz «novas propostas artísticas, prevê mais atividades ao ar livre e uma programação que promove os saberes e usos de um Algarve quase desconhecido», salienta a Secretaria de Estado da Cultura, que dinamiza este programa em parceria com a sua congénere do Turismo.

O Festival da Comida Esquecida/Forgotten Food Festival é um bom exemplo desta nova tendência. Aqui, o público será convidado a participar «em piqueniques inspirados nos anos 30 e 40, experiências culinárias em locais monumentais do Algarve e passeios nas hortas, com recolha de alimentos e aulas de cozinha». No final, há «uma festa de encerramento dedicada à comida das famílias algarvias».

O Out (In)Verno, outra das novidades, «irá ligar as artes à divulgação da ciência, com uma proposta de concertos temáticos, caminhadas e oficinas científicas».

Também novo é o evento A(prender-me) no Algarve, que «trará oito experiências em carrinhas “pão de forma” para mostrar o Algarve tradicional e os ofícios locais».

 

 

A programação completa da quarta edição do “365Algarve” já pode ser consultada no site do programa.

«Haverá mais de 400 eventos em todos os concelhos do Algarve, que aprofundam o cruzamento entre a cultura e o turismo».

Ana Mendes Godinho, secretária de Estado do Turismo, diz que «o 365 Algarve tem sido um instrumento importante para alargar o turismo ao longo de todo o ano no Algarve, criando oferta cultural na época baixa, através de uma programação conjunta cultura e turismo».

«Estes 400 eventos que ocorrerão na época baixa são motivos adicionais para promover o Algarve como um destino todo o ano, atenuando a sazonalidade», acrescentou.

Ângela Ferreira, secretária de Estado da Cultura, considera, por seu lado, que «a programação prevista para a 4ª edição do 365Algarve reforça que a Cultura é a peça-chave para descobrir outro Algarve depois do Verão, numa ligação estreita entre o património natural e cultural, recuperando trilhos e memórias».

«Trata-se de uma programação cultural de excelência, que contribui para combater a sazonalidade, reforçar a coesão do território, ao atrair milhares de visitantes, e levar Portugal ao mundo no que o país tem de melhor e de diferenciador: a Cultura», reforça a governante.

Desde que o “365Algarve” foi criado, em 2016, como resultado de uma colaboração entre as áreas governativas da Cultura e da Economia, foram promovidos no seu âmbito «mais de 1500 eventos» que atraíram acima de  377 mil espetadores.

O investimento anual é de 1,5 milhões de euros.

 

Comentários

pub
pub