Canastras cheias de sardinha voltam a voar no cais de Portimão

Antestreia do Festival da Sardinha

Foto: Jacques Zeimert, Cais de Portimão, 1962

As canastras cheias de sardinha vão voltar a voar no cais de Portimão, junto à ponte velha. Trata-se da recriação da «azáfama característica do ambiente da antiga lota e descarga do peixe», que é organizada pelo Museu de Portimão no dia 6 de Agosto, terça-feira, entre as 10h30 e as 11h30, para assinalar a antestreia do Festival da Sardinha, que começa no dia seguinte.

Nesta «iniciativa muito especial», recorda-se «os tempos de chegada da sardinha da faina à zona ribeirinha e cais de Portimão».

Serão retratadas, «algumas das principais atividades que, ao longo do tempo, tiveram lugar na lota do cerco, em Portimão, desde a chegada da traineira carregada de sardinha no seu convés, altura em que se ouve a sirene que chama os compradores, seguindo-se o antigo leilão “à boca” da sardinha, que consistia numa ladainha cantada de números por ordem decrescente que o vendedor só interrompia quando o comprador arrematava com a ordem de compra “Chui!”».

Após o leilão, terá lugar a «descarga do peixe, uma espécie de coreografia aperfeiçoada pela experiência, em que os homens faziam voar canastras cheias do convés da traineira até ao trabalhador que as recebia na muralha, despejando de imediato o peixe em caixas para ser gelado ou salgado e, em seguida, acondicionado nos transportes da altura (bicicletas, carrinhas e outros) para seguir para o seu destino».

No decurso de todo este trabalho, «uma ou outra sardinha era desviada pela moçada que por ali andava, gerando muitas vezes algazarra, mas era precisamente todo este ambiente da lota e cais, com as suas dinâmicas, que era considerado um espetáculo para os muitos locais, curiosos e turistas que por ali passavam diariamente».

 

Foto: Júlio Bernardo, Cais de Portimão

Comentários

pub
pub