Botelho deixa Câmara de Tavira e AMAL a 26 de Agosto

Osvaldo Gonçalves, presidente da Câmara de Alcoutim, assume liderança da AMAL temporariamente

Jorge Botelho – Foto de arquivo

Jorge Botelho vai suspender as funções de presidente da Câmara de Tavira e tem até 26 de Agosto para o fazer. A data limite para abdicar do cargo de líder da AMAL – Comunidade Intermunicipal do Algarve também deverá ser a mesma. 

O (ainda) autarca explicou, esta quarta-feira, 24 de Julho, à margem de uma sessão, que a data para deixar a Câmara é certa, mas na AMAL a lei não é tão clara.

Certo é que Botelho irá suspender ambos os mandatos devido ao facto de integrar as listas do PS para as Eleições Legislativas de 6 de Outubro, indo, inclusive, em 3º lugar.

Na AMAL, será Osvaldo Gonçalves, presidente da Câmara de Alcoutim, a assumir o cargo de presidente até à data das eleições.

Depois, Jorge Botelho voltará a assumir a pasta da AMAL (até já há uma reunião marcada para 11 de Outubro), mas só até à tomada de posse da nova Assembleia da República. Isto, claro, se for eleito como deputado.

Caso seja mesmo um dos escolhidos pelos algarvios nas Legislativas, terá de haver uma mudança efetiva na liderança da AMAL. «Ou se decide manter este mandato até ao fim, com o vice-presidente [Osvaldo Gonçalves] a passar a presidente, ou se promove uma eleição intercalar», explicou aos jornalistas.

Na Câmara de Tavira, Botelho dará lugar a Ana Paula Martins, atual vice-presidente.

«É alguém que me acompanha neste processo autárquico desde o primeiro dia. Tenho toda a confiança na Ana Paula Martins para continuar o trabalho que me propus a fazer e que, felizmente, estamos a fazer com competência», disse Jorge Botelho.

Se for eleito, o (ainda) presidente da Câmara de Tavira garante que continuará a ser uma voz, pela defesa do Algarve, mas na Assembleia da República.

«A minha agenda continua a mesma. Se todos fizermos o mesmo, e tivermos uma agenda comum, acho que conseguimos muita coisa que o Algarve precisa, como a questão da mobilidade, da saúde, da qualidade dos serviços públicos, do litoral e a magna questão do turismo», disse.

«Tudo isso são agendas importantíssimas. Se nós tivermos um fio condutor comum, a região pode ser ouvida melhor», concluiu.

Em Lagos, Maria Joaquina Matos, presidente da Câmara Municipal, também terá de suspender o cargo até 26 de Agosto.

Comentários

pub
pub