Presidente da República condecora algarvio D. António Carrilho

D. António Carrilho é natural de Loulé e vai ser distinguido com o grau de Grande-oficial da Ordem do Infante D. Henrique

D. António Carrilho na festa da Mãe Soberana de 2019 | Foto: Rodrigo Damasceno | Sul Informação

O presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa, na qualidade de Grão-Mestre de todas as Ordens Honoríficas Portuguesas, vai distinguir o algarvio D. António Carrilho, bispo emérito do Funchal, com o grau de Grande-oficial da Ordem do Infante D. Henrique.

O anúncio foi feito hoje, em comunicado, pelo representante da República na Região Autónoma da Madeira.

A Ordem do Infante D. Henrique destina-se a “distinguir quem houver prestado serviços relevantes a Portugal, no País e no estrangeiro, assim como serviços na expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, da sua História e dos seus valores”.

Maria do Carmo Melvill Araújo, a Associação Recreio Musical União Mocidade e a Orquestra Clássica da Madeira vão também ser distinguidos.

As condecorações serão impostas pelo representante da República para a Região Autónoma da Madeira, por delegação do presidente da República, em cerimónia solene, a realizar pelas 11h30, no próximo dia 10 de Junho — Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas— no Palácio de São Lourenço, na capital madeirense.

Em comunicado enviado à Agência Ecclesia, a Diocese do Funchal, que em Abril homenageou D. António Carrilho pelos 12 anos em que foi responsável por esta Igreja local e pelos seus 77 anos de vida, “regozija-se vivamente com esta distinção” concedida ao bispo emérito.

A 12 de Janeiro, o Papa aceitou a renúncia apresentada por D. António Carrilho como bispo do Funchal, que em 2017 atingiu idade determinada pelo Direito Canónico (75 anos) para a resignação ao cargo.

O prelado foi nomeado pelo agora Papa emérito Bento XVI, em Março de 2007, para suceder a D. Teodoro de Faria.

D. António Carrilho foi ordenado padre em 1965 e esteve 12 anos como sacerdote no Algarve. Foi nomeado cónego do Cabido Catedralício da Sé de Faro a 25 de Março de 1996 e tomou posse a 2 de Fevereiro desse ano.

Depois desse período, esteve integrado em vários serviços da Conferência Episcopal Portuguesa, em Lisboa, nomeadamente enquanto diretor do Secretariado Nacional da Educação Cristã e do Secretariado Geral.

Em 1999 foi ordenado bispo na igreja de São Pedro do Mar, em Quarteira, tendo como lema episcopal ‘Faz-te ao Largo’, depois de ter sido nomeado para auxiliar do Porto, onde esteve oito anos.

O atual bispo do Funchal, D. Nuno Brás, tomou posse como 33.º bispo diocesano a 17 de Fevereiro.

Comentários

pub
pub