Mãe Soberana sobe ao palco do Cine-Teatro Louletano

Espetáculo foi encomendado pela Câmara de Loulé e pelo Cine-Teatro Louletano ao Teatro do Eléctrico

O espetáculo “Soberana, Mãe Soberana de Loulé”, do Teatro do Eléctrico, vai ter a sua estreia absoluta no dia 21 de Junho, no Cine-teatro Louletano.

A peça, encenada por Ricardo Neves-Neves, inspira-se num texto de Ana Lázaro sobre a procissão e os festejos religiosos da Mãe Soberana, que acontecem anualmente em Loulé no dia de Páscoa (Festa Pequena) e duas semanas depois (Festa Grande).

«Depois de “A Freguesia”, com dramaturgia e encenação de Ricardo Neves-Neves, em 2017, espectáculo que encerrou o programa comemorativo dos 100 anos da Freguesia de Quarteira, a Câmara Municipal de Loulé e o Cine-Teatro Louletano dirigem um novo convite ao Teatro do Eléctrico para a criação de um espectáculo a partir de uma temática ou realidade do concelho de Loulé, neste caso a Mãe Soberana», enquadrou a companhia teatral.

«Assim que comecei a pesquisar sobre a Mãe Soberana percebi que mais do que uma manifestação religiosa, cultural e histórica, esta é, tal como o vínculo genético e intrínseco que liga a Mãe com o seu filho, parte de um corpo coletivo, da identidade de um povo», segundo Ana Lázaro.

«A filiação dos louletanos à sua Mãe perde-se no tempo e no espaço, está arreigada no sangue, nos ciclos das estações, na luta diária, na alegria e na dor que vivem, sob uma ligação íntima ímpar de proteção e cumplicidade. Numa relação de afeto profundamente divina, e simultaneamente, profundamente humana. E como um culto vivo que é, ele próprio – organismo. Cresce, transforma-se e revitaliza-se no corpo dos seus portadores», diz.

Isto representa um desafio, já que «quando se escreve sobre a Soberana, escreve-se afinal sobre todos os louletanos, sobre as duas vidas e o seu passado, sobre as suas esperanças e memórias».

Em palco estarão Afonso Molinar, Ana Cloe, André Magalhães, Diana Vaz, Elsa Galvão, Joana Campelo, José Leite, Márcia Cardoso, Rafael Gomes, Rita Carolina Silva, Rita Cruz, Samuel Alves, Sílvia Figueiredo, Tadeu Faustino e Vítor Oliveira.

O espetáculo conta com a participação da Sociedade Filarmónica Artistas de Minerva, dirigida pelo maestro José Branco.

Comentários

pub
pub