Escolas de Hotelaria e Turismo acabam com as propinas no ensino obrigatório

As Escolas do Turismo de Portugal, incluindo as que existem em Faro, Portimão e Vila Real de Santo António, vão […]

As Escolas do Turismo de Portugal, incluindo as que existem em Faro, Portimão e Vila Real de Santo António, vão abolir as para os estudantes que frequentam cursos de nível IV, ou seja, os estudantes que estão a cumprir a escolaridade obrigatória, já a partir do ano letivo 2019/20.

Será também reduzido em 50% o custo das inscrições e matrículas, tanto para o nível IV como para o nível V, «criando condições para o reforço da atratividade dos cursos e consequentemente para o reforço da captação de talento para o setor», anunciou o Turismo de Portugal.

Esta são as principais novidades do ano letivo que se avizinha nas escolas de hotelaria e turismo, cujas candidaturas estão abertas até 18 de Julho.

Ainda assim, há outras inovações – e que dizem respeito ao Algarve -, já que o Turismo de Portugal promete apostar «na diferenciação positiva das escolas situadas nos territórios de baixa densidade, nomeadamente em Lamego, Portalegre e Vila Real de Santo António, através do financiamento de 50% das propinas dos Alunos dos Cursos de nível V».

«Também na prossecução de responder ativamente às necessidades expressas por alunos, profissionais e empresários, as escolas do Turismo de Portugal vão reforçar a oferta formativa, abrindo mais turmas e mais vagas para admissão de novos alunos no nível IV (Nível Profissional). O número de turmas e vagas para alunos dos cursos profissionais vai crescer cerca de 15%, procurando responder à necessidade de ter mais jovens a estudar nas áreas de Cozinha/Pastelaria, Restaurante/ Bar e Alojamento Hoteleiro. Nos cursos de nível V vai existir um novo CET – Curso de Especialização Tecnológica em Turismo da Natureza e Aventura, que virá substituir o antigo (Turismo de Ar Livre)», segundo esta entidade.

As Escolas do Turismo de Portugal vão, de igual forma, «reforçar a ligação ao setor empresarial regional, afirmando a sua missão de suporte à inovação no setor, à promoção da diversidade regional, da valorização dos produtos endógenos e da articulação aos produtos e serviços turísticos».

A rede de 12 Escolas do Turismo de Portugal implementa um programa formativo – Tourism Training Talent – focado nas componentes da comunicação, da gestão e das vendas, com uma atenção especial à inovação e ao conhecimento nos domínios do marketing e do digital. O programa pedagógico integra áreas de desenvolvimento pessoal (aulas de teatro, voz e movimento), de comunicação e storytelling, de gestão (comercial e vendas) e de inovação e empreendedorismo. Nas áreas técnicas, a aposta é em novos métodos e produtos, com ênfase na área digital, com a introdução de softwares de ensino como é o caso da gamificação, ligada à gestão e ao planeamento.

«Esta é também a única rede escolar que, em Portugal, tem cursos especializados e ministrados totalmente em língua inglesa e, complementarmente, desenvolve projetos de estágios internacionais financiados a 100% e programas de intercâmbio, assegurando desse modo a captação de alunos estrangeiros», segundo o Turismo de Portugal.

No final, os alunos têm muito boas possibilidades de encontrar emprego, já que a taxa de empregabilidade dos cursos das escolas do Turismo de Portugal se situa nos 94%, «de acordo com o mais recente Estudo de Inserção Profissional, relativo a 2018».

Comentários

pub
pub