Instituições de Ensino Superior unem-se em torno da Dieta Mediterrânica

Um dos objetivos é aumentar a articulação entre as diferentes entidades com responsabilidade na promoção e salvaguarda da Dieta Mediterrânica

19 Instituições de Ensino Superior portugueses criaram uma rede para a salvaguarda da Dieta Mediterrânica, na sexta-feira, a sala de seminários da Reitoria da Universidade do Algarve, no Campus de Gambelas, em Faro.

O protocolo que criou a Rede das Instituições de Ensino Superior para a Salvaguarda da Dieta Mediterrânica (RIESDM) foi assinado no dia 10, numa cerimónia que juntou representantes dos diferentes parceiros e onde esteve presente Miguel Freitas, secretário de Estado das Florestas e Desenvolvimento Rural.

Ao todo, a rede é formada por dez institutos politécnicos (Beja, Guarda, Leiria, Lisboa, Porto, Santarém, Setúbal, Viana do Castelo e Viseu), seis universidades (Algarve, Aveiro, Coimbra, Évora, Porto e Trás os Montes e Alto Douro) e três escolas não integradas (Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Escola Superior de Enfermagem do Porto e Escola Superior de Hotelaria e Turismo do Estoril).

«Esta rede pretende potenciar o trabalho desenvolvido pelas IES no âmbito da promoção e salvaguarda da Dieta Mediterrânica (DM) e aumentar a articulação destas com as outras entidades com responsabilidade na promoção e salvaguarda da Dieta Mediterrânica, contribuindo, através de uma abordagem multidisciplinar, para a sua salvaguarda em diversas vertentes, nomeadamente ao nível da produção e valorização dos produtos, da educação para a saúde, da preservação de técnicas, festividades e paisagens ancestrais, entre outras», segundo a Universidade do Algarve.

Durante a cerimónia foi «salientado o trabalho realizado no âmbito da candidatura da classificação da DM a Património Cultural Imaterial da Humanidade pela UNESCO e o trabalho posteriormente desenvolvido a nível nacional e a nível da região do Algarve, nomeadamente no âmbito do Plano de Salvaguarda da DM e do respetivo Plano de Atividades para a Salvaguarda da DM na região do Algarve 2018-2021».

Comentários

pub
pub