Reviravolta no último dia garante vitória de João Ramos na Baja de Loulé

A vitória de João Lourenço nas motos marcou o regresso aos triunfos de um piloto da região algarvia nesta prova, algo que não acontecia desde 2010, quando Ruben Faria foi o vencedor

João Ramos/Victor Jesus (Autos), João Lourenço (Motos), Roberto Borrego (Quads) e Pedro Santinho Mendes são os vencedores da edição de 2019 da Baja Loulé, cujo segundo e último dia se cumpriu este domingo, com os concorrentes a cumprirem dois Setores Seletivos (SS), disputados alternadamente entre Autos e Motos/Quads/SSV.

Entre os Autos que compõem o parque do TT nacional, houve luta cerrada até ao fim, com o primeiro setor seletivo da manhã a ser liderado por Alexandre Ré/Hugo Magalhães (VW), que assim aumentaram a liderança conseguida na véspera.

No entanto, João Ramos/Victor Jesus (Toyota) puseram todo o potencial do seu carro em ação no último SS, acabando por vencer a prova com mais de um minuto de vantagem.

O terceiro classificado foi o Ford de Pedro Dias da Silva/José Janela, já a 17 minutos dos vencedores.

Os mais rápidos nas categorias T2 e T8 foram, respetivamente, Georgino Pedroso/Carlos Silva (Isuzu) e João Rato/Pedro Colaço (Land Rover) e a vitória entre os concorrentes da Taça de Portugal de TT pertenceu a José Maia/Sérgio Cruz (Nissan).

 

As motos cumpriram em primeiro lugar o segundo setor seletivo e, desde logo, o líder da prova, João Lourenço, mostrou não estar numa toada de calma e controlo, acabando por ser o mais rápido.

João Lourenço só perdeu nove segundos para a concorrência mais direta no segundo controlo de passagem, mas foi o mais rápido em todos os outros pontos de cronometragem.

O piloto acabou por vencer com 5 minutos e 58 segundos de vantagem sobre o 2º classificado, Salvador Vargas(KTM), que viria a ser o melhor entre os concorrentes da categoria Júnior.

A vitória de João Lourenço, que tripulou uma Beta com motor a 2 tempos, marcou o regresso aos triunfos de um piloto da região algarvia nesta prova, algo que não acontecia desde 2010, quando Ruben Faria foi o vencedor.

Por seu lado, Daniel Jordão conseguiu assegurar o lugar mais baixo do pódio na sua Yamaha, tendo ainda vencido a classe TT2.

Na posição seguinte, terminou Bernardo Megre (Husqvarna), que venceu entre os concorrentes da classe TT1. Na Promoção, os triunfos couberam a Armindo Neves (SWM)entre os Veteranos e Vítor Lopes (KTM), enquanto nos concorrentes da categoria Hobby, pilotos que não dispõem de licença desportiva, o mais rápido foi Sérgio Carapinha (Yamaha).

 

Apesar de só terem concorrido três máquinas, a luta pela vitória foi bastante intensa nos quads, com Roberto Borrego a recuperar progressivamente o atraso que tinha para Luís Engeitado, no final do dia de sábado, para acabar a prova na primeira posição, conquistada nos últimos quarenta quilómetros de prova!

Entre os populares SSV, a luta também esteve ao rubro, com o volte face a dar-se nos últimos quilómetros da corrida, quando a dupla brasileira Cristiano Batista/Fábio Zeller perdeu muito tempo e caiu para o 9º lugar, com Pedro Santinho Mendes a herdar assim o primeiro posto e a consagrar-se como vencedor da prova.

Seguiu-se-lhe no pódio Nuno Fontes/José Sá Pires e João Dias/Emanuel Alves, todos em Can-Am. O melhor classificado na categoria TT2 foi o Yamaha de André Rodrigues/Ricardo Porto Nunes.

A Baja de Loulé foi uma organização do Clube Automóvel do Algarve, sob a égide da Federação Portuguesa de Automobilismo e Karting e da Federação de Motociclismo de Portugal, com o apoio dos municípios de Loulé, Alcoutim, Tavira e São Brás de Alportel e da Junta de Freguesia de Almancil e o patrocínio dos Vinhos do Algarve.

Comentários

pub
pub