Páscoa marcada por greves na aviação no Sul da Europa

Pode não ser possível aproveitar as férias da Páscoa como previa se tiver férias marcadas, enquanto as greves na aviação chegam a Portugal, Espanha e Itália

Se estiver entre os que viajam para ver a família durante a Semana Santa, lembre-se de que as interrupções de voo podem acontecer. Mais passageiros significa uma maior procura, mas esse não é o único problema que pode causar atrasos e voos sobrelotados, revela a SkyCop, empresa que diz defender «os passageiros e seus direitos numa luta contra a má conduta das companhias aéreas em relação a reembolsos de voos».

Greves e paralisações em Portugal, Espanha e Itália podem perturbar o voo de muitos passageiros durante as festas da Páscoa. O SINTAC – Sindicato Nacional dos Trabalhadores da Aviação Civil emitiu, em nome dos trabalhadores da Ryanair e Groundlink, um pré-aviso de greve com início esta terça-feira, dia 16, que se prolonga até dia 15 de Julho.

De acordo com o SINTAC, ao abrigo do disposto no Art.º 534 do Código do Trabalho, estão previstas duas horas de greve ao início e ao fim de cada turno, respetivamente, assim como a todo o trabalho suplementar, exceto aos feriados.

Em Portugal, há ainda outro problema que pode afetar os voos e o funcionamento dos aeroportos: a greve dos motoristas de matérias perigosas.

Em Espanha, o início dos problemas ocorreu mais cedo do que o previsto. A equipa de segurança do aeroporto de Madrid, pertencente ao sindicato ATES, iniciou a sua ação a 12 de Abril. Diz-se que a greve é por tempo indeterminado, com o objetivo de lutar sobre os salários e escalas.

As equipas de Handling (equipas que prestam assistência em terra), pertencentes à Union Sindical Obrera e Union General de Trabajadores, estão a planear uma greve para o Domingo de Páscoa, 21 de Abril, e outra para dia 24.

Pela lei espanhola, os sindicatos têm que obedecer aos regulamentos de “serviços mínimos”, mas, mesmo assim, a greve irá atingir a maior parte dos passageiros espanhóis, possivelmente interrompendo centenas de voos.

Em Itália, o pessoal da Alitalia entrou em greve por 24 horas e alguns trabalhadores nos dois principais aeroportos de Milão, Linate e Malpensa, também deixaram de funcionar. «Os passageiros devem estar conscientes das possíveis interrupções e seguir a situação online», salienta a SkyCop.

«É importante estar atento às atualizações emitidas pelos aeroportos e companhias aéreas», acrescenta a SkyCop. De acordo com o Regulamento EC 261/2004, greves dos funcionários do aeroporto são uma circunstância extraordinária, fora do controlo da companhia aérea, e nesse sentido nenhuma compensação pode ser solicitada.

Mas, mesmo durante esse tipo de interrupção de voo, «os passageiros têm seus direitos, as companhias aéreas precisam de cuidar dos seus clientes».

Mas se a interrupção não for causada pela greve, mas por uma questão técnica, de pessoal, etc., os passageiros têm direito a compensações e podem pedir ajuda à Skycop.

Comentários

pub
pub