Depois do lançamento no Castelo de Aljezur, DiVaM arranca em Milreu e Alcalar

Programação integra 26 projetos culturais, de 23 entidades, organizados em 52 atividades, a realizar ao longo do ano, em 7 monumentos

«Movimentos Perpétuos das sementes imortais – os clássicos viajam para a atualidade na poesia de Anne Carson e de Nunes da Rocha» é o título da primeira palestra do ciclo «Amatores In Situ – o Mundo Antigo visto por quem o ama», marcada para 24 de Abril, às 18h00, nas Ruínas Romanas de Milreu, em Estoi (Faro).

Tendo como oradora Ana Isabel Soares, professora da Universidade do Algarve, e promovida pela Cívis – Associação para o Aprofundamento da Cidadania, esta é a atividade que abre, este ano, o DiVaM, programa de Divulgação e Valorização dos Monumentos do Algarve.

Segue-se, no dia 4 de Maio, um sábado, entre as 10 e as 17h30, mais «Um Dia na Pré-História», nos Monumentos Megalíticos de Alcalar (Portimão), promovido pelo Museu Municipal de Portimão e pelo seu Grupo de Amigos, o GAMP.

Na realidade, o DiVaM até já começou, no passado dia 13, no Castelo de Aljezur, com a assinatura dos protocolos entre a Direção Regional de Cultura do Algarve e as 23 associações participantes, a que se seguiu a atuação do XelbInSax Quartet, da associação Artis XXI, de Lagoa.

Ao todo, serão 52 atividades, a ter lugar de Abril a Dezembro (com interrupção no Verão), na Fortaleza de Sagres, Ermida de Guadalupe, Castelos de Aljezur, Paderne e Loulé, Monumentos Megalíticos de Alcalar e Ruínas Romanas de Milreu, os sete monumentos sob tutela daquela direção regional.

São «52 atividades, mas neste momento já nos restam menos de 52 semanas» até ao fim do ano, «portanto vamos ter mais do que uma atividade por semana», explicou Adriana Freire Nogueira, diretora regional de Cultura do Algarve, em entrevista ao Sul Informação e à Rádio Universitária do Algarve.

 

Mas as novidades do DiVaM 2019 não se ficam por aqui: este ano há mais dinheiro e mais associações. «Conseguimos aumentar um bocadinho o orçamento: tínhamos 55 mil euros, mas conseguimos chegar aos 60 mil, o que também permite esta diversidade e este arrojo de algumas das propostas», anunciou aquela responsável.

Quanto às novas associações, elas são quatro: Artis XXI, de Lagoa, Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1º de Maio, de Lagos, Cineclube de Faro e Clube Farense, ambos da capital algarvia. Todas as outras são «repetentes».

E porquê continuar a promover o DiVaM? A intenção deste programa, explicou Adriana Nogueira, é «tirar as pessoas do divã da sua casa para virem a estes espaços que estão sob a tutela da Direção Regional de Cultura. A ideia original foi aproximar as pessoas dos monumentos e é essa ideia que queremos manter. O DiVaM trouxe os jovens aos monumentos, e não só através das associações que participam nas atividades do programa».

É que, salientou a diretora regional, «nós temos de conhecer para amar e, quando amamos, preservamos. Esta é a sequência: conhecer, amar, preservar».

Para Adriana Nogueira, «já houve uma habituação da população aos monumentos que estão perto de si», através do DiVaM, «que também trouxe muita gente aos monumentos que não estão perto de si». O programa criou mesmo «uma rede de atividades nos monumentos da DRC Algarve, que não se pode perder».

Em 2019, o tema genérico escolhido para a programação é «A Viagem». A ideia é comemorar os «500 anos da viagem de Circum-navegação de Fernão de Magalhães», que este ano se assinalam.

«Todas as associações trouxeram temas que versavam a viagem: que pode ser uma viagem interior, uma viagem pela música de muitos sítios», salientou Adriana Nogueira.

E que resultados tem dado o DiVaM? A diretora regional de Cultura salienta que «os números [de visitantes dos monumentos do Algarve] têm crescido nos últimos anos. Não digo que isso tenha só a ver com o DiVaM, mas também com a própria dinâmica do turismo».

No entanto, sublinhou, «os monumentos não são para estar fechados e qualquer pessoa que os visita é turista, seja nacional, local ou estrangeiro. É turista quando visita, quando sai do seu divã». E até 15 de Dezembro, com a apresentação do Trio Nelson Conceição, na Ermida de Guadalupe (Vila do Bispo), haverá muitos pretextos para sair do divã de casa e aterrar neste DiVaM de cultura.

 

Quais são os projetos do DiVaM 2019?

A programação do DiVaM 2019 integra um total de 26 projetos culturais, de 23 entidades, organizados em 52 atividades, a realizar ao longo do ano, nos sete monumentos afetos à Direção Regional de Cultura do Algarve. Eis a lista de projetos e de associações promotoras, por ordem alfabética:

>>Amarelarte – Associação Cultural e Recretiva, com o projeto “Dia Criativo em Milreu – Viagem no Tempo” – projeto de criação artística aberto à comunidade, baseado em Land Art e Mosaicos, que irá resultar numa exposição fotográfica coletiva.

>>Arquente – Associação Cultural, com o projeto “Concertos ao Entardecer”, na Fortaleza de Sagres – projeto de música indie, os “Concertos ao Entardecer” têm vindo a ganhar a adesão e assiduidade da comunidade de Sagres. Este ano com a presença de Nádia Schilling , Churky e André Júlio Turquesa.

>>ARTIS XXI – Associação de Educação Artística de Lagoa, com o projeto “Ciclo Artis XXI – Via.gen(E)s”, ciclo que se iniciou a 13 de Abril com o momento musical Viagem de Sons, pelo XelbInSax Quartet. Esta é uma associação recente que agora se apresenta no DiVaM. O ciclo é uma novidade no DiVaM e integra, para além do quarteto, o recital comentado Fantasia Improviso, na Fortaleza de Sagres, e o Entre Dois Mundos, duo de guitarra e violino com perfomance dos alunos da Espamol, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe

>>Associação Cultural Dancenema, com o projeto “Meus Monstros Marinhos”, na Fortaleza de Sagres. Espetáculo de dança/performance, onde as profundezas dos oceanos se confundem com a imensidão da imaginação humana. Direcionado para escolas e famílias.

>>Associação Cultural Música XXI, com o projeto “A Viagem, outras margens, outras viagens”, nas Ruínas Romanas de Milreu – apresentação poético-musical, que fará um percurso pela poesia, com reflexão crítica num questionamento da nossa mundividência.

>>Associação Internacional de Paremiologia, com o projeto “Viajando por Terras distantes: um outro olhar sobre o universo patrimonial”, nas Ruínas Romanas de Milreu – projeto direcionado à comunidade escolar, constituído por um conjunto de oficinas pedagógicas, que irão resultar na construção de um mural sobre a viagem de circum-navegação de Magalhães e os provérbios associados a estes lugares.

>>Associação de Acordeão GarveFole, com o projeto “João Palma & Nelson Conceição”, na Fortaleza de Sagres, e o “Trio Nelson Conceição”, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe. Dois projetos que enaltecem o acordeão, cuja prática constitui um singular património musical do Algarve.

>>Casa da Cultura de Loulé, com o projeto “Grafonola Voadora & Napoleão Mira”, projeto de música, audiovisual e declamação e que re-constroi novos quadros visuais e musicais relacionados com dois monumentos, na Fortaleza de Sagres e Castelo de Loulé.

>>Centro Ciência Viva do Algarve, com o projeto “Do ir ao vir: uma viagem por experiências científico-históricas nas ruínas da Villa Romana de Milreu” – conjunto de atividades de cariz prático, relacionadas com a história do local, que irão desvendar técnicas e princípios científicos utilizados pelo povo romano, numa abordagem pedagógica inovadora.

>>Centro Ciência Viva de Lagos, com o projeto “NOVA Escola de Sagres III” – conjunto de atividades práticas de cariz científico e tecnológico. Projeto de grande sucesso nas edições anteriores (para escolas, famílias e publico em geral) na Fortaleza de Sagres.

>>Cineclube de Faro é uma estreia no programa DiVaM, com o projeto ”Descobrimentos, Migrações e Viagens – Ciclo de Cinema e debates”, a acontecer na Fortaleza de Sagres, e o projeto “Oficina de Viagens”, que traz um conjunto de atividades de exploração, de escrita e de desenho, que irão originar a criação de um objeto de design de uso pessoal, nas Ruínas Romanas de Milreu.

>>Cívis – Associação para o Aprofundamento da Cidadania, com o ciclo de palestras “Amatores in Situ – O Mundo Antigo visto por aqueles que o amam”, em colaboração com a Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade do Algarve – projeto a acontecer nas Ruínas Romanas de Milreu, que tem a coordenação de Ana Isabel Soares e João Pedro Bernardes.

>>Club Farense é outra entidade que se estreia no DiVaM com dois projetos musicais: “Riding a Meteor”, um espetáculo estreitamente relacionado com a Ponta de Sagres, onde “um meteorito perdido no vazio galáctico é a personagem principal e a sua trajetória é a trama”, e “Esfinge”, um espetáculo-viagem inspirado na musicalidade das canção tradicional portuguesa e com influência de países da bacia do mediterrâneo, nas Ruínas Romanas de Milreu.

>>Fungo Azul – Associação Cultural, com o projeto “Quando a Terra se tornou redonda”, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe. A partir dos relatos de António Pigafetta e de uma residência artística, serão convidados várias artistas em diversos locais do planeta por onde navegou Magalhães. Será apresentado um projeto que junta música e sonoplastia, História e literatura, vídeo narração e perfomance

>>Grupo de Amigos do Museu de Portimão, com um conjunto de oficinas integradas em “Um Dia na Pré História”, projeto do Museu Municipal de Portimão nos Monumentos Megalíticos de Alcalar e que constitui uma referência para a região.

>>O Corvo e a Raposa Associação Cultural, com o projeto “Dias D’as Virgens Negras II – Toda a riqueza do mundo: objetos viajantes e outras histórias mirabolantes”, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe. Oficinas de cânticos e de dança, que irão preparar a comunidade para a apresentação de um espetáculo final alusivo à devoção de Afonso de Albuquerque à Virgem de Guadalupe.

>>QRER – Cooperativa para o Desenvolvimento dos Territórios de Baixa Densidade, com o projeto “Viagens no Tempo em Milreu através de Números, Sabores e Artes”, nas Ruínas Romanas de Milreu. Conjunto de várias oficinas pedagógicas direcionadas para a escola de Estoi, para a ASMAL e público em geral – oficinas de barro, para criar moedas inspiradas nas cidades romanas do sul de Portugal, oficinas de talhe de gesso, para construção de marcos milenários romanos, e oficinas de preparação de puls (papas) inspiradas nas receitas da antiguidade.

>>Partilha Alternativa Associação, com o projeto “Mensagem para um Tempo Futuro. A Viagem das Palavras”, direcionado para comunidade escolar. Um grupo de jovens será convidado a refletir sobre o tema das viagens, dos mares que os unem (e que nos separam) e dos fluxos migratórios, e a criar bandeiras a lançar ao vento, numa “mensagem” que pretende difundir a força intencional para a construção de um novo mundo.

>>Sociedade Filarmónica Lacobrigense 1º de Maio, com o projeto “Viajando na Música”, no Castelo de Aljezur, que nos irá trazer um projeto musical alusivo às viagens dos navegadores portugueses na descoberta de novos mundos.

>>Sociedade Musical de Paderne, com o “Fado Navegado”, projeto de carácter comunitário, que pretende fazer uma viagem pelo mundo do Fado, reinterpretando este estilo musical de forma inovadora, através de instrumentos de sopro.

>>Teatro Experimental de Lagos, com o projeto “Sótão S.A.” – Projeto teatral direcionado para famílias, escolas e público em geral, que pretende valorizar a importância das relíquias guardadas nos baús do passado. Esta é uma viagem à Memória.

>>Teia D’Impulsos – Associação Social cultural e Desportiva, com o projeto “7 Ventos”, na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe – projeto interdisciplinar que coloca o público no centro do palco e o desafia a adotar um papel mais ativo na preservação do Património cultural.

>>Tertúlia – Associação Sócio-Cultural de Aljezur, com o projeto “Viagens na Minha Terra – um passeio de bicicletas com leituras encenadas na paisagem do Barlavento Algarvio” – percurso que se inicia na Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe e termina na Fortaleza de Sagres e que integra a apresentação de pequenas estórias reinterpretadas sobre diferentes culturas cujos vestígios ainda resistem nos nossos gestos e palavras do quotidiano.

Comentários

pub
pub