Líder do Aliança-Algarve demite-se porque partido segue «fórmulas do passado»

Aliança foi formado por Pedro Santana Lopes

Cláudia Gonçalves demitiu-se esta segunda-feira, 25 de Março, do cargo de coordenadora do Aliança-Algarve porque o partido «segue as mesmas fórmulas do passado». 

Em comunicado, Cláudia Gonçalves, eleita coordenadora regional em Fevereiro, diz que entrou no Aliança « com a certeza de que o Algarve estava a impor-se e a criar algo de diferente».

«Passados estes meses e tendo a consciência de que tudo fiz na valorização dos objetivos que visavam essa nova forma de fazer política, verifiquei que esses pressupostos que referi não foram ao encontro das minhas expetativas, Ou seja: são as mesmas fórmulas do passado», diz a antiga coordenadora do Aliança-Algarve.

«Assumi as funções de coordenadora do Partido Aliança-Algarve há uns meses. Fi-lo com a convicção de que este partido seria a nova esperança para Portugal e, mais propriamente, para o Algarve. Quando entrei no partido, disse que só estaria na política com a certeza de que se pugnava por valores e princípios e que este projeto teria que ser diferente dos que existem», explica ainda.

«Sou uma pessoa de terreno e adoro as causas sociais. Não entrei para o Aliança com a pretensão de ser algo, nunca tive nem tenho o objetivo de cargos, nem de tirar proveitos da política. Não foram cargos, nem o poder que me moveram para o Aliança. Foi sim a vontade de conseguir ajudar mais pessoas dando o meu contributo através da política», escreve a antiga coordenadora.

Cláudia Gonçalves era o nome algarvio da lista do Aliança, partido formado por Pedro Santana Lopes, às Eleições Europeias.

Natural do concelho de Loulé, Cláudia Gonçalves tem mestrado em Sociologia, pela Universidade de Évora, exercendo funções na Comissão de Proteção de Crianças e Jovens na Câmara Municipal de Loulé.

Comentários

pub
pub