Cine-Teatro Louletano exibe uma “Banda Sonora”

A peça de teatro “Banda Sonora”, com encenação de Ricardo Neves-Neves e música do pianista e compositor Filipe Raposo, tem […]

A peça de teatro “Banda Sonora”, com encenação de Ricardo Neves-Neves e música do pianista e compositor Filipe Raposo, tem sessões marcadas para esta sexta-feira, dia 29 de Março, e sábado, 30, às 21h30, no Cine-Teatro Louletano. 

Esta foi «uma das mais aclamadas peças de teatro apresentadas em Portugal em 2018», segundo a Câmara de Loulé, e agora estreia-se no Sul do país.

«Num dispositivo cénico surpreendente, com uma floresta em palco e uma orquestra em fundo, na montanha, a tocar ao vivo, os dois criadores apresentam um espetáculo invulgar e surpreendente, em que a música seguiu a escrita e vice-versa, pondo em palco um universo de perversidade infantil interpretado por três pares de atrizes-cantoras, acompanhadas pela Orquestra Académica Metropolitana dirigida pelo maestro Cesário Costa», explica a autarquia.

Este é «um texto carregado de metáforas, passado numa floresta de contos mais ou menos tradicionais, com músicas e canções a condizer».

Numa floresta de terror vivem três meninas órfãs, de 8, 12 e 16 anos: as primeiras macrocéfalas e cheias de curiosidade científica, as segundas obcecadas pelas regras sociais e filhas de um rei da Mesopotâmia e as terceiras tão volumosas que sentenciaram a morte da mãe com o seu nascimento.

«São três meninas a seis vozes. Os três pares de atrizes, com semelhanças físicas e tímbricas, povoam o palco num universo ligado ao cinema de terror e aos contos tradicionais infantis mais negros».

Entre o nonsense, o delírio e a inocência extravagante, em forte ligação a uma essência musical, rítmica e polifónica, percorre-se um caminho pela floresta desde a dissecação de sapos até à secreta introdução ao tabagismo.

O reconhecido crítico Augusto M. Seabra escreveu que este é um «espetáculo brilhantíssimo», uma «absoluta confirmação, caso necessidade ainda houvesse, da singularidade criativa de Ricardo Neves-Neves, aqui numa exemplar parceria com o compositor Filipe Raposo. Sem dúvida alguma um marco do teatro musical nos palcos portugueses».

É sublinhada a ferocidade criativa de Ricardo Neves-Neves, levada a um ponto inédito: a menina é órfã de mãe, que morreu no parto, e a história segue até à morte do pai.

«Alia-se a isso o portentoso delírio visual (a cenografia é assinada por Henrique Ralheta, os figurinos são da responsabilidade de Rafaela Mapri e a caraterização coube a Cidália Espadinha) de um universo figurativo que faz lembrar Tim Burton, bem como um notável nível de apuramento formal no que toca à interpretação (a direção vocal é de João Henriques)».

“Banda Sonora” é uma coprodução: Teatro do Eléctrico, Cine-Teatro Louletano e São Luiz Teatro Municipal.

Os bilhetes custam 9 euros, passando para 7 euros para maiores de 65 e menores de 30 anos (o Cartão de Amigo é aplicável), tendo o espetáculo uma duração de 60 minutos e é dirigido a maiores de 14 anos.

Os bilhetes podem ser comprados aqui. 

Para mais informações e reservas os interessados podem contactar o Cine-Teatro Louletano pelo telefone 289 414 604 (terça-feira a sexta-feira, das 13h00 às 18h00) ou pelo email cinereservas@cm-loule.pt.

Além disso, podem consultar a sua página de Facebook aqui ou o seu website aqui.

Comentários

pub
pub