Orçamento Participativo dá voz aos alunos para corrigir «defeitos» das escolas

Centenas de alunos compuseram “mini assembleia” em que discutiram propostas com o ministro da Educação

«Se a escola tem vários defeitos e há esta oportunidade qual é a razão para não a utilizarmos»? A pergunta, de Maria Beatriz Fernandes, do 11º ano, resume o que foi o lançamento do Orçamento Participativo (OP) das Escolas, esta quarta-feira, 13 de Fevereiro, em Faro. O ministro da Educação foi um verdadeiro one man show e ouviu, com atenção, as nove propostas apresentadas ao abrigo de um programa que faz a democracia acontecer nas escolas. 

Esta é uma iniciativa que já vai para a sua terceira edição e que quer «melhorar o conhecimento e a literacia relativamente aos processos de eleição e votação», como explicou o ministro Tiago Brandão Rodrigues.

Os alunos são desafiados a terem ideias, a fazerem campanha junto dos colegas e a votarem, no Dia do Estudante (24 de Março), naquela que considerem ser a proposta que mais pode contribuir para melhorar a escola onde estudam.

«No fundo, queremos que os alunos do 3º ciclo e ensino secundário também tenham consciência da importância de orçamentar e das questões relacionadas com a literacia financeira», disse Tiago Brandão Rodrigues.

É que, no âmbito deste Orçamento Participativo, que abrange mais de meio milhão de alunos, o Ministério da Educação vai transferir, para cada estabelecimento de ensino, com estudantes do 3º ciclo e ou do ensino secundário, uma verba extra de 1 euro por aluno (sendo 500 euros o valor mínimo).

Para a Secundária Tomás Cabreira, palco do lançamento a nível nacional, a verba já está definida: 1200 euros. É muito? É pouco? Não importa. As ideias já fervilham e foram apresentadas pelos alunos perante um ministro da Educação que conduziu a assembleia sempre bem disposto.

Há quem queira tablets e computadores portáteis para a Biblioteca, uma esplanada junto ao bar dos alunos, uma rádio escolar, a TC FM, a compra de mais uma mesa de ping pong e de material para desporto e lazer ou até a mudança de instalações da reprografia.

A plateia, repleta de estudantes, ouviu as propostas dos colegas de escola, aplaudiu e riu com o à vontade de Brandão Rodrigues que não se inibiu de chamar «estrela do marketing» a Teresa Sustelo, aluna que propôs a compra de tablets para a Biblioteca.

«A educação está longe de ser perfeita, é certo, mas somos nós, alunos, que podemos melhorar o país no futuro», disse a jovem estudante para aplausos de todos: ministro, Rogério Bacalhau, presidente da Câmara de Faro, que saudou a «excelente iniciativa do Governo», e alunos.

Para Teresa, «é muito importante que se possam desenvolver projetos desta magnitude». «Desenvolve o espírito crítico e faz com que mudemos coisas que estão mal na nossa escola para nos sentirmos melhor cá», acrescentou.

Tiago Brandão Rodrigues considerou, por sua vez, que, «acima de tudo, é importante os alunos aprenderem o que é elucidar o nosso público alvo». «Hoje perceberam aqui que, se não esclarecessem os colegas, as probabilidades de alguém confiar neles, diminuem», acrescentou.

A iniciativa tem outro condão: o de colocar os jovens a ir às urnas para votar em propostas. «Também é importante perceberem que, quando se estão a abster, se estão a afastar da sua capacidade de participação. Uma aluna dizia-me de forma clara: quando votamos, podemos decidir», disse.

Neste Dia Mundial da Rádio, o ministro também não esqueceu a efeméride e assumiu-se como um «viciado» neste meio de comunicação social. A um canto da sala, a Rádio Miúdos, a primeira rádio para crianças em português, transmitiu toda a sessão pela Internet.

Mais logo, durante a tarde, também a Rádio Universitária do Algarve (RUA) FM vai contar, através da sua emissão, o que foi esta aula, uma verdadeira «lição», como referiu o ministro da Educação.

E será que, com tanto à vontade, alguns dos alunos podem ser políticos no futuro? No final, Tiago Brandão Rodrigues tinha uma certeza: «eles aqui hoje foram, claramente, políticos de corpo inteiro».

 

Fotos: Pedro Lemos | Sul Informação

Comentários

pub
pub