Oficinas da Bienal de Turismo falam de aves, ecoturismo, geologia e património

50 oficinas representam uma forte ação de promoção de conhecimento em turismo de natureza

Oficinas de conhecimento sobre o fenómeno da migração de aves no Algarve, ecoturismo, património paleontológico ou a paisagem mediterrânica. Estas são apenas algumas das propostas da Bienal de Turismo de Natureza que decorre de 22 a 24 de Fevereiro, no Espaço Multiusos de Aljezur. 

A vertente das oficinas é uma das componentes deste evento, que terá como tema central a sustentabilidade. Profissionais do turismo, empresários, decisores públicos, entidades certificadoras e investigadores da área do Turismo vão marcar presença.

No total, são 50 as oficinas, todas com entrada gratuita e dirigidas ao público em geral. São verdadeiras oportunidades para ter formação de qualidade com especialistas na área, ao longo dos três dias.

Eis alguns exemplo: no primeiro dia, 22 de Fevereiro, das 11h45 às 13h15, no Espaço D, decorre uma oficina sobre o Guia de Mergulho do Algarve, a ser dada por Nuno Miguel Oliveira, da Dive Club Cipreia.

À mesma hora, mas no Espaço B, Thijs Valkenburg, do RIAS – Centro de Recuperação e Investigação de Animais Selvagens, falará do fenómeno da migrações de aves no Algarve.

Para as 14h15 e até às 15h45, o tema, no Espaço E, será Ecoturismo, Turismo Responsável e Criativo, com João Ministro, da empresa Proactivetur, como orador.

No dia seguinte, há mais oficinas já marcadas e que vão abordar temas relacionados com esta Bienal.

No Espaço C, Luís Azevedo Rodrigues, diretor do Centro Ciência Viva de Lagos, e Delminda Moura, da Universidade do Algarve (UAlg), abordarão, das 10h00 às 11h30, o património geológico e paleontológico de Lagos.

Expandindo para todo o Algarve, Hugo Campos, do Museu Municipal de Loulé, falará, das 11h45 às 13h15, no Espaço A, sobre o Património Paleontológico do Algarve.

Também à mesma hora, mas no Espaço B, Gonçalo Duarte Gomes, arquiteto paisagista, abordará a Paisagem Mediterrânica e a Influência Atlântica.

Dar a conhecer os charcos temporários mediterrânicos é, por sua vez, o objetivo da oficina de fauna e flora a ser dada por Margarida Cristo, da Universidade do Algarve, das 14h15 às 15h45, no Espaço B.

No segundo dia de Bienal de Turismo de Natureza, decorre, das 11h45 às 13h15, uma oficina sobre Roteiros Geológicos do Alentejo e Algarve, a ser dada por Paulo Fernandes, da UAlg, e Sofia Mesquita Soares, da Associação para a Defesa e Divulgação do Património Geológico do Alentejo e Algarve, no Espaço D.

No último dia, além do turismo de natureza, vão ser abordadas questões relacionadas com o património. Das 10h00 às 11h30, no Espaço B, realiza-se a oficina “Conhecer o Património Edificado do Algarve”, com Rui Parreira, da Direção Regional de Cultura do Algarve.

Castro Marim e a Reserva Natural do Sapal

Já das 11h45 às 13h15, Maria Manuela David, da UAlg, falará, no Espaço A, sobre a Flora dos Ecossistemas do Parque Natural da Ria Formosa e da Reserva Natural do Sapal de Castro Marim.

No Espaço C (11h45 – 13h15), o tema é a Sustentabilidade para o Turismo Cultural na promoção do Destino Algarve e será abordado por Cláudia Henriques, da Universidade do Algarve.

Quanto à Rota Vicentina, vai ser dada a conhecer por Marta Cabral, da Associação Rota Vicentina, das 14h15 às 15h45.

Para conhecer todas as oficinas que se vão realizar, clique aqui. Com tanta oferta, o difícil é escolher.

A Bienal, organizada pela Vicentina – Associação para o Desenvolvimento do Sudoeste, conta com o cofinanciamento do CRESC Algarve e do Município de Aljezur e com as parceiras da Região de Turismo do Algarve, da Associação In Loco e da Associação Terras do Baixo Guadiana, entre outros.

Comentários

pub
pub