Nova rotunda na EN125 dentro de Olhão é mesmo para avançar

Rotunda é vista como uma das soluções para atenuar os problemas de tráfego dentro da cidade de Olhão

Foto: Hugo Rodrigues|Sul Informação

A Câmara de Olhão continua determinada em construir uma rotunda no cruzamento entre a Avenida D. João VI, a antiga EN125, a rua 18 de Junho e a estrada para Pechão, dentro da cidade. Para isso, falta-lhe apenas negociar com um dos muitos proprietários de terrenos na zona confinante ao cruzamento, para poder avançar com o projeto.

«Já temos todos os terrenos garantidos, exceto um. Todas as cedências, até agora, foram gratuitas. Falta apenas um lote, que até nem tem nenhuma casa há alguns anos. O terreno era propriedade de uma empresa que entrou em insolvência e, agora, é uma complicação», explicou ao Sul Informação o presidente da Câmara de Olhão.

Mas, garantiu o presidente António Pina, assim que estejam resolvidas as questões ligadas ao processo de insolvência desta empresa, o projeto terá novos desenvolvimentos.

«Já estamos a preparar e a tentar negociar, ao mesmo tempo que estamos a elaborar o projeto». Apesar de não se comprometer com «nenhuma data, para não falhar», António Pina conta «conseguir ter o projeto de execução e o processo negocial concluído até final do ano».

Este cruzamento é, atualmente, um dos principais estrangulamentos existentes na EN125, uma vez que se situa dentro de uma cidade, numa zona muito urbanizada e ainda conta com semáforos. Todos os dias se acumulam aqui dezenas de carros, principalmente à hora de ponta.

Foto: Hugo Rodrigues|Sul Informação

Além de servir a população olhanense, tendo em conta que esta Avenida é ladeada por muitos prédios de habitação e lojas, a estrada, apesar de desafetada, continua a ser, na prática, a EN125, tendo em conta que não há qualquer alternativa.

A solução há muito apontada é a construção da Variante de Olhão à EN125, que desviará de dentro da cidade o tráfego que se dirige a outras localidades, a Sotavento e a Barlavento, mas também a instalação de uma rotunda neste cruzamento, que se espera que permita uma maior fluidez de trânsito.

Até que a obra da rotunda avance, dificilmente se dará uma regeneração urbana, nesta zona da cidade, onde existem, ainda muitas ruínas. Parte delas foram, há pouco tempo, demolidas, no âmbito dos acordos celebrados entre a Câmara e os proprietários para cedência de parte dos terrenos,  «para que possamos fazer os passeios e acessibilidades».

Para melhorar a paisagem urbana, a autarquia olhanense optou pela colocação de tapumes com desenhos e motivos coloridos, adaptando «uma prática que já existia noutros lados à nossa realidade. Os locais tinham um aspeto muito pesado e, com os tapumes, embelezamos os espaços, enquanto os proprietários não têm projetos», explicou o presidente da Câmara ao Sul Informação.

Neste momento, acrescentou António Pina, «não há conhecimento de que algum dos proprietários tenha vontade de requalificar». Algo que poderá mudar a partir do momento em que este cruzamento deixar de ser um ponto negro, no que ao trânsito dentro de Olhão diz respeito.

 

Fotos: Hugo Rodrigues|Sul Informação // Catarina Diniz, Diogo Sousa e Mariana Madeira|ETIC_Algarve

 

Comentários

pub
pub