Construção da Escola D. Dinis de Quarteira já foi adjudicada, mas pavilhão vai ter de esperar

Concurso público internacional para a construção do pavilhão gimnodesportivo ficou deserto

A Escola EB 2,3 D. Dinis, em Quarteira, vai ser construída pela empresa Gabriel Couto, mas o pavilhão gimnodesportivo, que também estava incluído no concurso público internacional lançado pela Câmara de Loulé, em Setembro, vai ter de esperar, uma vez que nenhuma construtora apresentou propostas para a sua execução.

De acordo com o contrato publicado na plataforma Base.gov, assinado no dia 22 de Janeiro, a obra de construção da escola vai demorar 630 dias consecutivos e vai custar 6,2 milhões de euros mais IVA.

No entanto, «ainda não há data para o arranque da obra», uma vez que «o início da construção está dependente do visto do Tribunal de Contas», disse Vítor Aleixo, presidente da Câmara de Loulé, ao Sul Informação. 

A autarquia já tinha adjudicado a obra em Dezembro de 2017, por 4,8 milhões de euros, mas o empreiteiro que ganhou o concurso «desistiu, alegando que os preços de mercado tinham disparado», como explicou, em Outubro do ano passado, Vítor Aleixo, presidente da Câmara de Loulé, ao Sul Informação.

Isto levou a autarquia a lançar um concurso público internacional, de 12 milhões de euros, em Setembro, que juntava a obra da escola e também a do novo Pavilhão Gimnodesportivo de Quarteira, a construir na parte traseira do estabelecimento de ensino.

No entanto, nenhum dos concorrentes apresentou uma proposta para a construção do pavilhão, que fazia parte de um lote diferente. Também nenhuma empresa apresentou proposta para fazer, em conjunto, as duas empreitadas.

Ao nosso jornal, Vítor Aleixo garantiu que «será lançado brevemente um novo concurso só para a construção do pavilhão».


Em relação à Escola D. Dinis, todo o edifício será construído de raiz, mas a entrada da escola será feita pela mesma zona onde é agora: em frente ao parque de estacionamento.

A entrada terá um amplo átrio. Do lado esquerdo, estarão os espaços administrativos. Já o lado direito albergará as duas alas com salas de aula e um Centro de Recursos. Na zona de receção, haverá quatro elementos com imagens da antiga escola para se perpetuar a memória daquilo que foi aquele espaço.

A construtora Gabriel Couto explica que o projeto de requalificação prevê adequar o número de salas de aula à atual população escolar, resultando num total de 33 espaços, repartidos por 24 salas de aula, duas salas de EVT, uma sala de ET, dois laboratórios, duas salas de TIC e duas salas de música.

No final desta empreitada de requalificação, «a nova escola terá uma área bruta de construção total de quase 7.000 metros quadrados e uma área total de arranjos exteriores 12.000 metros quadrados», acrescenta a construtora.

O projeto tem a assinatura do arquiteto Pedro Mendonça, do atelier de arquitetura “beAbstract”, que considera que «a sua viabilização reflete uma postura de excelência de todo um município e de toda uma região com o intuito de promover o desenvolvimento e consolidação de saberes, permitindo uma maior motivação aos profissionais e aos alunos».

A Gabriel Couto já construiu outros projetos no Algarve como o Centro de Alto Rendimento “The Campus”, localizado na Quinta do Lago, e esteve também envolvida nas empreitadas do Mar Shopping Algarve e do Longevity Health & Wellness Hotel, em Alvor.

Comentários

pub
pub