Casal de falsos veterinários tinha clínica clandestina em Tavira

Suspeitos também criavam e vendiam cães de raça

Um homem de 62 anos e uma mulher de 66, que se faziam passar por médicos veterinários e tinham uma clínica clandestina em casa, em Tavira, foram constituídos arguídos pelo SEPNA da GNR, por suspeita dos crimes de falsificação de documentos, usurpação de funções e burla qualificada.

Segundo o Comando Territorial de Faro, «os suspeitos faziam-se passar por médicos veterinários e geriam uma clínica clandestina na sua residência, falsificando boletins de vacinação de animais com um carimbo inexistente e desconhecido na Ordem dos Médicos Veterinários em Portugal e Espanha».

No mesmo espaço, os suspeitos «criavam e vendiam cães de diversas raças, desde pastor alemão, labrador, yorkshire e pinscher, sempre com boletins de vacinação com carimbo e assinatura falsificados», acrescenta a GNR.

A investigação decorria desde Julho de 2018 e culminou na realização de quatro buscas, uma domiciliária e três em veículos.

Nestas buscas, a GNR apreedeu 132 ampolas para vacinação animal, 61 seringas e 192 agulhas, três frascos com solução injetável para cães, medicamentos para cães, cartões de visita, dois computadores portáteis e três telemóveis, documentos relacionados com a atividade veterinária e um carimbo falso com inscrições de médico veterinário.

Na operação foram também detetados 48 cães de criação sem registo e licença dos animais. A casa também não tinha licença de canil, que é necessária para espaços com mais de sete animais, e não tinha os requisitos necessários para a venda de animais de companhia. Devido a estas ilegalidades foram elaborados autos de contraordenação.

Na ação, foram empenhados 23 militares do Comando Territorial de Faro, auxiliados por uma Médica Veterinária do Serviço de Alimentação e Veterinária da Região do Algarve e uma Médica Veterinária do Município de Tavira.

Comentários

pub
pub