“Ambiente inovador de aprendizagem” marca novo Centro Escolar da Mexilhoeira da Carregação

«Desde a estratégia até à metodologia, esta promete vir a ser uma escola “transformadora”»

As obras do novo Centro Escolar da Mexilhoeira da Carregação começam no início de 2020, mas as mudanças para novas práticas pedagógicas já começaram em 2018, salienta a Câmara Municipal de Lagoa.

Segundo a autarquia, «aprender e ensinar em ambientes inovadores» é uma aposta do Município na promoção do sucesso escolar.

Durante o mês de Janeiro, tiveram lugar várias sessões de apresentação deste projeto, envolvendo a participação do presidente da Câmara Francisco Martins, de vários elementos do executivo municipal, as equipas de arquitetos e técnicos de educação, especialistas da Universidade do Algarve, pais, professores e alunos do pré-escolar e do primeiro ciclo da escola a transformar.

«Este não é só um projeto do Centro Escolar da Escola da Mexilhoeira da Carregação, mas do Município e de todo o concelho de Lagoa, já que não pretende apenas construir um novo edifício, mas envolver todos/as numa construção muito mais alargada, que inclui fornecer ferramentas de trabalho aos profissionais», disse Ana Martins, vereadora com o pelouro da Educação, na abertura da última sessão aberta a toda a comunidade educadora, que teve lugar a 30 de Janeiro no Auditório Carlos do Carmo.

O arquiteto Luís Veríssimo, responsável pelo projeto da nova escola, explicou, na mesma ocasião, que o processo iniciado há três anos tem vindo a incorporar contributos de vários níveis: desde o programa inicial, a que se juntou «a visão de futuro do presidente» e a consequente aquisição de uma nova parcela de terreno, que permitiu alargar o espaço da intervenção, até às mais diversas sugestões de natureza técnica, tecnológica, pedagógica, vindas dos diferentes parceiros e destinatários da Escola.

Até ao final de 2019, o projeto de arquitetura vai «percorrer os caminhos burocráticos previstos nestes casos», devendo a obra começar no início do próximo ano, informou, na mesma sessão, o responsável pelo serviço de planeamento estratégico do Município, o arquiteto Nelson Marques.

Em paralelo, está em desenvolvimento desde 2018, o ano da Cidade Educadora, ao abrigo de um protocolo assinado entre a Universidade do Algarve e a Câmara de Lagoa, um «programa de investigação-ação-intervenção», que tem como objetivo «a promoção do sucesso de todos com todos, através do desenvolvimento de uma cultura de autonomia, flexibilidade e inclusão, potenciadora de aprendizagens de qualidade, e alinhadas com as necessidades atuais e futuras dos alunos e do município», acrescenta a autarquia.

A “Escola Aprender+, Ambientes educadores inovadores” prepara-se assim para nascer na Mexilhoeira da Carregação, «fruto de um casamento entre a participação das populações a quem se dirige, com as soluções dos especialistas em educação, informática, arquitetura, engenharia, entre outras áreas», promovido pela Câmara de Lagoa.

«Desde a estratégia até à metodologia, esta promete vir a ser uma escola “transformadora”», conclui a autarquia lagoense, em nota de imprensa.

 

Comentários

pub
pub